PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

COI define que futebol masculino em Tóquio será sub-24

Bruno Guimarães, em ação na estreia da seleção sub-23 contra o Peru, pelo Pré-Olímpico - Daniel Munoz/VIEW press/Getty Image
Bruno Guimarães, em ação na estreia da seleção sub-23 contra o Peru, pelo Pré-Olímpico Imagem: Daniel Munoz/VIEW press/Getty Image
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

16/07/2020 11h43

O Comitê Olímpico Internacional (COI) fechou ontem (15) os critérios de classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, que foram adiados para o ano que vem. No futebol, em comum acordo com a Fifa, ficou definido que o torneio vai manter os critérios de elegibilidade que valeriam para 2020. Ou seja, que a competição masculina será para atletas de até 24 anos, com as usuais três exceções.

Por mais que seja comum descrever o torneio olímpico masculino como sendo "sub-23", na prática não é a idade do atleta que determina sua elegibilidade, mas sua data de nascimento. Para Tóquio-2020, a regra é ter nascido a partir de 1º de janeiro de 1997. Esse critério continua valendo para a Olimpíada disputada no ano que vem, quando Gabriel Jesus, por exemplo, já terá 24 anos.

A manutenção dessa regra era um dos princípios anunciados pelo COI assim que a Olimpíada foi adiada. A ideia sempre foi que os mesmos atletas que disputariam os Jogos em 2020 continuassem aptos a competir em 2021. O boxe, por exemplo, também manteve sua regra. A competição poderá ser disputada, no ano que vem, por nascidos entre 1º de janeiro de 1980 e 31 de dezembro de 2002.

Essas regras já haviam sido aprovadas por uma força-tarefa do COI em abril e agora foram validadas após reunião do Conselho Executivo. O Brasil já está classificado, depois de ser vice-campeão do Pré-Olímpico disputado no começo do ano.

Além da seleção brasileira, a América do Sul será representada pela Argentina. Os asiáticos terão como representantes, além do Japão, como dono da casa, as seleções da Arábia Saudita, a Coreia do Sul e a Austrália, que fica na Oceania, mas compete nas eliminatórias da Ásia. Já os africanos serão representados pela Costa do Marfim, pelo Egito e pela África do Sul.

Na Oceania, o representante será a Nova Zelândia. Por fim, a Europa mandará quatro representantes. A Alemanha, rival do Brasil na final da Rio-2016, a Espanha, a França e a Romênia são as seleções classificadas. Só falta serem definidos os representantes da Concacaf. O Pré-Olímpico começaria em 20 de março, mas foi cancelado, uma semana antes, por causa da pandemia.

style="margin:0 auto; min-width:300px; ">
style="position: relative; padding-bottom:56.25%; height: 0; overflow: hidden; "><iframe src="https://embed.dugout.com/v2/?p=eyJrZXkiOiJyTGhXYUp2MiIsInAiOiJ1b2xicmFzaWwiLCJwbCI6IiJ9" style="width: 300px; min-width: 100%; position: absolute; top:0; left: 0; height: 100%; overflow: hidden; " width="100%" frameborder="0" allowfullscreen scrolling="no">iframe>