PUBLICIDADE
Topo

Covas deve assinar na sexta decreto de reabertura das academias

2.jul.2020 - Cerca de 50 pessoas formam fila em frente de academia na Lapa, no centro do Rio, à espera de reabertura - Herculano Barreto Filho/UOL
2.jul.2020 - Cerca de 50 pessoas formam fila em frente de academia na Lapa, no centro do Rio, à espera de reabertura Imagem: Herculano Barreto Filho/UOL
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

08/07/2020 13h37

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), deve assinar na próxima sexta-feira (10) o decreto que vai permitir a reabertura de academias na capital paulista, autorizando que elas sejam autorizadas a abrir as portas já na semana que vem. Nesta quarta (8), representantes do setor e da prefeitura se reuniram em uma reunião virtual para discutir detalhes dessa reabertura.

As academias têm autorização estadual para reabrir na cidade de São Paulo desde a última segunda-feira (6), mas essa reabertura depende também de uma autorização municipal, dada pelo prefeito Bruno Covas. É esse documento que será assinado no final da semana, pelo que foi informado na reunião pela Casa Civil. A decisão vem dois meses depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decretar que o setor é essencial para a economia e, por isso, deveria ficar aberto durante a pandemia.

A associação nacional das academias, conhecida pela sigla ACAD, presidida pelo ex-nadador Gustavo Borges, apresentou um protocolo à prefeitura, que tende a ser aprovado, segundo fontes do Olhar Olímpico. Há desacordo, porém, no número de horas por dias que as academias poderão ficar abertas.

O governo do Estado limitou a reabertura a seis horas por dia na fase amarela do Plano SP, na qual está a cidade de São Paulo, mas o setor defende uma autorização por oito horas, alegando que assim haveria menos gente ao mesmo tempo dentro dos estabelecimentos. A decisão final será de Covas, mas os representantes da prefeitura alertaram os participantes da reunião desta manhã que o prefeito não pretende bater de frente com o governador João Doria (PSDB).

Além de Gustavo Borges, também participaram do encontro virtual proprietários de algumas das grandes academias do país e o ex-goleiro Zetti, que tem uma escolinha de goleiros. Por enquanto, só serão autorizadas atividades individuais, não coletivas. E, entre os protocolos, está que as academias não terão ocupação superior a 40% da capacidade.

Na semana passada, quando Doria anunciou que as academias poderiam reabrir na fase amarela, não mais na fase verde, como era a regra inicial, a secretária de Desenvolvimento Econômico Patrícia Ellen disse que as atividades serão permitidas "através de agendamentos, adoção de protocolos específicos, uso de máscara, agendamento prévio e também seguimento de protocolos definidos, com destaque para limpeza intensificada dos equipamentos, três vezes ao dia, e restrição do uso dos vestiários". Na ocasião, ela falou em limite de 30% da capacidade.