PUBLICIDADE
Topo

Restrição da Europa a brasileiros põe COB em alerta e pode atrapalhar plano

Simbolo do COB - Divulgação
Simbolo do COB Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

11/06/2020 15h00

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) espera ter atletas treinando no CT Rio Maior, em Portugal, já nos primeiros dias de julho. Mas uma informação publicada mais cedo pela Folha pode colocar em risco o plano não apenas da seleção brasileira de judô, mas de todo o Comitê Olímpico do Brasil (COB).

No começo do mês, o COB anunciou a criação da "Missão Portugal", que consiste em uma ida em massa de atletas brasileiros para o país europeu. "Com a pandemia, acreditamos que usar as instalações esportivas portuguesas nos permitirá oferecer aos atletas locais seguros e de alto nível para que retomem suas atividades", explicou na ocasião o diretor-geral do COB, Rogério Sampaio.

Pelo programa, o COB iria investir R$ 15 milhões para levar cerca de 200 atletas brasileiros para treinar na Europa em estágios que começariam em julho e, em fases, iriam até dezembro. Seriam beneficiados atletas de nível olímpico (já classificados para Tóquio ou com chances de se se classificar) no atletismo, natação, judô, vela e outras modalidades individuais.

Esse plano, porém, esbarra na informação de que a Europa vai barrar a entrada de brasileiros até que a epidemia do novo coronavírus seja controlada no Brasil. De acordo com a Folha, a Comissão Europeia informou hoje que a abertura das fronteiras externas europeias está prevista para 1º de julho e que a lista de países que terão entrada permitida começará a ser elaborada nesta quinta, incluindo países onde a pandemia está controlada. O que não é o caso do Brasil. A regra valeria para os países da União Europeia e outros quatro que fazem parte da zona Schengen: Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein.

A notícia acionou o alerta do COB, que já elaborou uma programação com protocolos recebidos do CT Rio Maior, instalação público-privada que seria a base do Time Brasil. "O COB está atuando em parceria com o Comitê Olímpico Português para esclarecer as informações que chegam de fontes desencontradas a respeito da entrada de brasileiros em Portugal. O objetivo do COB é oferecer as melhores condições de volta aos treinos aos atletas brasileiros respeitando todas as orientações de segurança no enfrentamento da pandemia", disse o comitê, em nota.

Depois da publicação da reportagem para a Folha, o COB contatou os portugueses com quem tem negociado o "Plano Portugal", incluindo o presidente do comitê olímpico local, e ouviu que eles desconhecem informações sobre essas proibições.