PUBLICIDADE
Topo

Brasileiro do vôlei de praia perdeu parte do olfato após ter Covid

Álvaro Filho, parceiro de Alison em dupla que vai a Tóquio - FIVB
Álvaro Filho, parceiro de Alison em dupla que vai a Tóquio Imagem: FIVB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

04/06/2020 04h00

Um mês depois de se curar da Covid-19, o jogador de vôlei de praia Álvaro Filho ainda sente as sequelas da doença. O paraibano que faz dupla com Alison e já está classificado para a Olimpíada de Tóquio diz que ainda não recuperou totalmente o olfato. Além dele, a esposa Marcella, que está grávida, também foi infectada.

"Começou com dor de garganta forte, depois a gente começou a ter febre. Tive um pouco de vômito, também. O que me chamou atenção foi a perda do olfato. Nunca tinha ficado sem sentir cheiro. O olfato não voltou completamente. Eu estou sentindo cheiro de quase tudo, mas não sinto com a intensidade que sentia antes", conta ele, que ainda não sabe se a perda será permanente.

Como Marcella está grávida e precisa tomar suplementação e realizar exames, o casal saiu de casa algumas vezes em João Pessoa, onde Alvinho, como é conhecido, construiu casa. Ele imagina que em uma das idas ao hospital pode ter ocorrido a infecção. "Foram uns sete, oito dias doentes, mas já faz mais de um mês. Ela já fez ultrassom depois disso e graças a Deus está tudo bem com o menino", diz. O bebê ainda não tem nome.

Curado, Álvaro Filho revelou pelo Instagram ter tido a doença, ao publicar um chamado para que pessoas que, como ele, se infectaram e foram curada, doem plasma para pesquisa. "Durante um treinamento normal, a gente que é jogador não pode doar sangue porque cai muito nosso rendimento e pode até adoecer. Num momento como esse eu acho que é uma coisa que a gente pode ajudar", disse ao blog.

O jogador foi vice-campeão mundial adulto com Ricardo em 2013 e treinava em João Pessoa no chamado CT Cangaço. No ano passado, ao aceitar formar dupla com Alison, topou também treinar no Espírito Santo. Deixou uma na Paraíba uma casa recém-construída, que só agora está sendo completamente mobiliada e desfrutada.

Em meio à quarentena, Alvinho mantém o contato com o parceiro Alison participando semanalmente de encontros virtuais. "A gente não tem se visto fisicamente, mas virtualmente a gente se vê toda semana. A gente se reúne com comissão, com Leandro, principalmente estudo de vídeo, tem também a parte física.. ele faz a parte dele em Vitória e eu em João Pessoa. E a gente trabalha com uma psicóloga, que tem feito bate-papos semanais para saber como estão as coisas", conta.

A torcida é para que as competições voltem logo. "A gente torce para isso, mas sem ter entendimento na área a gente deixa para os dirigentes decidirem. A minha vontade é de querer já treinar amanhã, ir para Vitória ver toda a equipe. A gente é muito ativo, a gente fica com ansiedade querendo jogar."