PUBLICIDADE
Topo

Fratus pede a líder mundial dos atletas para Olimpíada ser adiada

Bruno Fratus com a medalha dos 50m livre no Pan de Lima - Luis ROBAYO / AFP
Bruno Fratus com a medalha dos 50m livre no Pan de Lima Imagem: Luis ROBAYO / AFP
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

19/03/2020 11h19

O nadador Bruno Fratus tirou os atletas brasileiros a inércia e pediu publicamente à ex-nadadora Kirsty Coventry, líder da comissão de atletas, que leve ao Comitê Olímpico Internacional (COI) um pedido para que a Olimpíada de Tóquio seja adiada. Atletas de diversos países, como Estados Unidos (onde Fratus mora) e Brasil estão impedidos de treinar devido às medidas de restrição exigidas para o combate ao novo coronavírus.

Em vídeo publicado ontem (18), Coventry disse que teve um encontro virtual com o presidente do COI, Thomas Bach, no qual foram ouvidas as opiniões de 220 atletas e que, segundo ela, nesse encontro o COI recebeu apoio para manter a Olimpíada começando em 24 de julho.

"Kirsty, como nadador e atleta olímpico, peço a você a reconsiderar e consultar outros atletas ao redor do mundo. Não tenho certeza se você está ciente dos muitos atletas como eu, incapazes de treinar. Além disso, o conselho de 'continuar fazendo o que você está fazendo' parece desconectado da realidade quando temos líderes mundiais diariamente na televisão pedindo às pessoas que fiquem em casa e se isolem", escreveu Fratus, no Twitter.

"O adiamento dos Jogos Olímpicos não apenas proporcionaria tranquilidade ao mundo, mas também permitiria que todos pudessem se preparar adequadamente, garantir justiça e manter o nível técnico da competição. Muito amor do Brasil", continuou o nadador.

No Brasil, esta semana a CBDA anunciou o adiamento da seletiva olímpica da natação, que ocorreria em abril, e a remarcou para o fim de junho. Pela especificidade da natação, um atleta não consegue manter o ápice da forma por longo período. O ciclo inclui treinamento forte para ganho de massa e, depois, um período de descanso. Não há possibilidades de fazer duas vezes esse ciclo entre o retorno às atividades e a Olimpíada.

Com as medidas restritivas, a enorme maioria dos atletas olímpicos brasileiros na natação está sem treinar, porque os clubes e o Parque Aquático Maria Lenk estão fechados. Em outras modalidades também. No judô, por exemplo, nenhum atleta de nível olímpico está treinando em tatame.

Nesta quinta-feira (19), a Federação Internacional de Natação (Fina) adiou para junho os Pré-Olímpicos de saltos ornamentais e nado artístico, que aconteceriam no final de abril em Tóquio, como evento-teste. A decisão foi tomada depois que o Japão passou a exigir 15 dias de quarentena para os visitantes.

Olhar Olímpico