PUBLICIDADE
Topo

Padrinho de Flávio Bolsonaro aceita convite e será secretário de esporte

Marcello Magalhães, novo diretor da EGLO, e Jair Bolsonaro - Reprodução/Facebook
Marcello Magalhães, novo diretor da EGLO, e Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução/Facebook
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

27/02/2020 16h16

Marcello Magalhães, conhecido como Marcello Negrão, aceitou o convite do novo ministro do Cidadania Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para assumir a Secretaria Especial do Esporte. A informação foi inicialmente publicada pela revista Veja e confirmada pelo Olhar Olímpico junto a pessoas que falaram com Magalhães nas últimas horas. O general Décio Brasil já foi anunciado da demissão.

Magalhães vivia desde dezembro, pelo menos, uma queda de braço com os militares que comandam o que restou do Ministério do Esporte. Amigo de infância de Flávio Bolsonaro, de quem foi padrinho de casamento, o empresário é velho conhecido da família Bolsonaro e foi convidado a assumir inicialmente o então recém-criado Escritório de Governança do Legado Olímpico (EGLO).

Os militares, que reclamavam da demora do governo de dar uma solução para o legado olímpico (durante seis meses a estrutura ficou sem nenhum comando), tinham recebido o compromisso de que teriam controle do Parque Olímpico. Por isso, foram contra a nomeação de Magalhães e avisaram o Palácio do Planalto que não aceitavam a indicação, como o blog publicou em dezembro.

Perderam a queda de braço e a secretaria, num processo lento, que durou dois meses. Magalhães foi nomeado para a EGLO, mas não chegou a formar equipe, já esperando dar o novo passo. Isso só aconteceu depois que primeiro foi feita uma troca no comando do Ministério da Cidadania: saiu Osmar Terra (MDB-RS), entrou Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Nesta quinta (27), Onyx enfim começou seu trabalho de trocar peças no ministério, exonerando 11 assessores e secretários ligados ao seu gabinete. Magalhães, que já havia aceitado o convite para ser secretário, ganhou liberdade para montar sua equipe. Ao mesmo tempo, o general Décio Brasil foi avisado de sua demissão. Ao menos uma dezena de militares ocupa cargos na secretaria e também podem sair.

Jornalista que nunca atuou na área, Magalhães trabalhou com promoção em rádios FM do Rio antes de chegar ao esporte. No seu currículo constam trabalhos com a imagem de Flávio Canto, Anderson Silva, Isaquias Queiroz, Fabiana Beltrame e as gêmeas Bia e Branca, além de produtos como o programa Gigantes de Nazaré, de surfe, exibido no Esporte Espetacular.

Ele é o terceiro secretário de Esporte do governo Jair Bolsonaro (sem partido) em pouco mais de 400 dias de gestão. O primeiro a assumir foi o general três estrelas Marco Aurélio Vieira, que ficou apenas 107 dias no cargo. Foi demitido antes mesmo de conseguir montar sua equipe, numa queda de braço com o então ministro Terra, que se recusava a nomear seus indicados.

Em abril assumiu o general Brasil, que teve sua reta final de carreira militar ligada ao esporte como atividade fim. Ele comandou o Centro de Capacitação Física do Exército (cargo que também já foi do ministro general Augusto Heleno) e passou à reserva em 2018 como vice-chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército.

Nenhum dos dois generais deixou marcas na secretaria. Durante a gestão dos militares o legado olímpico ficou abandonado (desde junho não existe uma equipe para gerir a estrutura) e nenhum programa foi anunciado. A pasta ainda falhou na tentativa de convencer Caixa e Correios a renovarem contratos de patrocínio esportivo.

De relevantes nesses 400 dias, apenas a inauguração de uma série de Centros de Iniciação do Esporte, obras contratadas no governo Dilma Rousseff (PT) e que mudaram de nome para "Estação Cidadania", reduzindo o papel da Secretaria de Esporte nos equipamentos. Nos bastidores do esporte, a gestão de Décio Brasil ficará marcada pela portaria que alterou a Lei de Incentivo ao Esporte, considerada mal formulada e ruim para o desenvolvimento do esporte no país.

Olhar Olímpico