PUBLICIDADE
Topo

Na Grade do MMA

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Charles do Bronx aposta alto para colocar em xeque aposentadoria de Khabib no UFC

Charles Do Bronx, durante luta contra Justin Gaethje - Chris Unger/Zuffa LLC
Charles Do Bronx, durante luta contra Justin Gaethje Imagem: Chris Unger/Zuffa LLC
Diego Ribas

Jornalista que cobre MMA há mais de uma década, sócio da Ag Fight e fã de esportes de combate. Morando em Las Vegas desde 2014, segue de perto os bastidores do UFC.

Colunista do UOL

04/07/2022 04h00

Desde que venceu sua última luta no UFC, Charles Oliveira viu seu nome envolvido em rumores sobre um possível duelo com Islam Makhachev em outubro, em Abu Dhabi. Apesar do combate fazer sentido pelo ranking da categoria, uma vez que o russo é o melhor colocado dentre os que ainda não enfrentaram o brasileiro, a data e local ventilados geram contestações. E Do Bronx parece ter uma solução interessante para o impasse, mas que pode ser melhor trabalhada.

Ao longo da última semana, durante entrevistas em Las Vegas (EUA), Charles foi categórico em se colocar à disposição para o combate caso Khabib Nurmagomedov entre em cena. Se vencesse Makhachev, seu próximo rival poderia ser o veterano, que pendurou suas luvas em outubro de 2020 justamente em Abu Dhabi. Acontece que Do Bronx pede para que o duelo seja realizado no Brasil, o que faz total sentido para sua carreira.

No entanto, como o card do UFC 281 está programado para o dia 22 de outubro e, até que se prove o contrário, precisa de Islam na luta principal para ser atrativo comercialmente para a região, é difícil de se imaginar que o atleta compita em outro local. Para complicar, a divisão segue, oficialmente, sem um campeão oficial, e o passo natural é que Charles seja o desafiante número um para o confronto. É por isso que Khabib pode se tornar um trunfo.

O russo, ex-campeão invicto da categoria, se aposentou pouco antes do brasileiro conquistar a chance de disputar o cinturão e passou a se dedicar à função de treinador. Seu principal pupilo é, justamente, o amigo de longa data Islam Makhachev e, por ele, Nurmagomedov adotou postura mais ríspida do que durante os anos em que competia, pedindo seguidamente pelo confronto com o brasileiro.

Em conversa com este colunista na última quinta-feira, Khabib afirmou previu que Islam finalizaria Charles com estilo similar ao do 'jiu-jitsu brasileiro'. A provocação pareceu surtir efeito e, no dia seguinte, Do Bronx, também em bate-papo com a coluna, cravou que venceria Makhachev e, a seguir, desafiaria o ex-campeão. "Quem sabe, assim, ele volta a lutar. Está falando muito". A aposta é alta e, como de praxe, garante recompensa polpuda - mas ela pode ser potencializada.

Afinal, vivendo o ápice de sua forma e popularidade, o brasileiro, que mesmo sem o título é apontado pelos atletas da categoria como o campeão moral dos pesos-leves, poderia fazer história caso convencesse o até então imbatível Nurmagomedov a retornar ao octógono. Para isso, no entanto, ele precisaria de uma vitória contundente e impactante não apenas no octógono. E isso dificilmente seria possível em uma disputa no Brasil, palco sugerido por Do Bronx.

Se a meta é convencer um lutador invicto, e que não tem mais nada a provar, a voltar ao octógono, o lado pessoal teria que entrar em ação. E, para tal, uma vitória em Abu Dhabi, na frente dos amigos e familiares de Islam e do próprio Khabib, seguida de um desafio ao vivo pode ser o motivo que falta para colocar frente a frente Khabib e Charles, possivelmente os dois melhores pesos-leves da história do evento. Mas, como dito anteriormente, a aposta é alta e lutar em Abu Dhabi não é um cenário nada empolgante…