PUBLICIDADE
Topo

Na Grade do MMA

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Maurício Shogun merece um adversário de respeito para sua despedida do UFC

Ovince St-Preux abriu o jogo sobre o confronto com Maurício Shogun no UFC 274 - GettyImages
Ovince St-Preux abriu o jogo sobre o confronto com Maurício Shogun no UFC 274 Imagem: GettyImages
Diego Ribas

Jornalista que cobre MMA há mais de uma década, sócio da Ag Fight e fã de esportes de combate. Morando em Las Vegas desde 2014, segue de perto os bastidores do UFC.

Colunista do UOL

08/05/2022 00h28

Aos 40 anos, Maurício Shogun já deixou claro que sua carreira no MMA está próxima do fim. Neste sábado (7), no card do UFC 274, o curitibano fez a penúltima luta de sua vitoriosa caminhada no esporte, mas acabou superado novamente por Ovince Saint Preux. Com o resultado, o veterano acumulou o segundo revés seguido no currículo, resultado este que levanta uma importante questão. Quem deve ser seu próximo oponente no octógono do UFC? A resposta, no entanto, não é fácil, uma vez que alguns valiosos pontos devem ser analisados.

A começar pela importância do resultado em si. Ex-campeão dos meio-pesados (93 kg) do UFC e vencedor do GP do Pride, Shogun teria um final de carreira um tanto quanto injusto caso voltasse a perder. Pendurar as luvas com retrospecto tão negativo seria anticlímax demais para quem fez história no esporte com apenas 25 anos. Por isso, é importante que seu próximo desafio faça sentido dentro das suas possibilidades de performar no octógono aos 40 anos.

Mas, ao mesmo tempo, a relevância do nome do adversário também deve ser levada em consideração. Afinal, uma luta de despedida não faria sentido contra um oponente pouco conhecido e com pouca história desenhada no esporte - assim como o card que receberia a disputa.

Um evento numerado, com transmissão via pay-per-view, seria perfeito, mas possivelmente teria que ser realizado no Brasil para justificar a presença do atleta no card principal. Caso a disputa seja realizada nos EUA, por exemplo, um evento fight night poderia receber Shogun no co-main event ou até mesmo na luta principal. A depender, claro, do seu parceiro de dança.

E nada melhor do que um oponente de tenha no striking sua principal arma. Afinal, um casamento contra um wrestler poderia frustrar o atleta e seus fãs, ávidos pelo estilo agressivo e nocauteador do curitibano. Por isso, quem sabe, se todos os pontos forem ligados da forma que este colunista imagina, os nomes dos ex-campeões dos pesos-médios Chris Weidman e Luke Rockhold, que já se aventuraram na categoria de cima, seriam boas opções para um justo adeus de Shogun.

Weidman ainda se recupera da fratura na perna em sua última apresentação, enquanto Rockhold deve encarar Paulo Borrachinha em julho. Ambos estariam prontos para enfrentar Shogun no final do ano ou no começo da temporada 2023.