PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Para mim, Cássio está na mesma prateleira de Ceni e Marcos! E para você?

Cássio defende pênalti de Ramírez em Boca Juniors x Corinthians, válido pelas oitavas de final da Libertadores - Staff Images / Conmebol
Cássio defende pênalti de Ramírez em Boca Juniors x Corinthians, válido pelas oitavas de final da Libertadores Imagem: Staff Images / Conmebol
só para assinantes
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

06/07/2022 09h32

Podem falar que o Corinthians abdicou do jogo.

Que jogou como um XV de Piracicaba da vida lá na Bombonera.

E que não deu trabalho durante os 90 minutos ao goleiro Rossi.

Nada, absolutamente nada, tira o brilho do "Milagre de La Bombonera", operado ontem pelo time D do Alvinegro.

E sabem o que foi fundamental para que esse time totalmente alternativo conseguisse tal resultado?

Ter em campo um goleiro "Classe A"!

Gente, ontem Cássio viveu uma das grandes noites de sua carreira.

Comparável até aos seus grandes momentos vividos em 2012.

Foi um monstro na baliza do Timão, agarrando tudo, passando confiança aos seus inexperientes companheiros e assustando os jogadores do Boca.

Claro, já que os atletas, em todos os jogos, testam os goleiros.

E os argentinos testaram - e muito - Cássio no começo do jogo.

E, como ele estava mais seguro viajar de avião, eles passaram a tentar chegar na cara dele para finalizar.

O que acabou acontecendo poucas vezes.

Na penalidade de Benedetto, no tempo normal, o atacante tentou tirar tanto de Cássio que acabou acertando a trave.

Aí, nos pênaltis, não teve - como geralmente não tem - para ninguém!

Cássio, um gigante debaixo no travessão, assustou os demais jogadores do clube argentino, defendeu dois e contou mais uma vez com Benedetto morrendo de medo dele.

Um monstro!

Um santo corintiano!

Tanto que, para mim, não é exagero colocar Cássio na mesma prateleira de Rogério Ceni e de São Marcos.

E para você?

Opine!