PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

MN: Fla deveria entregar a taça e pedir desculpas por tudo que fez ao Galo!

Michael tenta escapar da marcação de Guga no duelo entre Flamengo e Atlético-MG - Thiago Ribeiro/AGIF
Michael tenta escapar da marcação de Guga no duelo entre Flamengo e Atlético-MG Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

30/11/2021 09h20

Dia de festa para o futebol brasileiro!

Sim, para o futebol brasileiro como um todo, e não apenas para o maior clube de Minas Gerais.

Claro, pois hoje, como o Fla não vencerá o Ceará, o Clube Atlético Mineiro levará, após 50 anos, o seu merecidíssimo segundo Campeonato Brasileiro.

E só o Galo sabe o que passou nesses últimos 50 anos para chegar até esta conquista.

Muitos tribunais e apitos prejudicaram o clube mineiro, que deveria estar comemorando hoje o seu hexa.

Não é mesmo, São Paulo de 77, ajudado pela ausência de Reinaldo na final?

E o Fla de 80, hein? Não vale nem a pena comentar (assim como a vergonha que aconteceu no ano seguinte, na Libertadores da América).

O Timão de 99 marcou o gol do título com Luizão logo após pênalti escandaloso de Índio na jogada anterior.

E em 2012 a CBFlu deu um jeitinho de minar o Galo durante o decorrer dos dois turnos.

Mas, enfim, deixemos isso para lá!

E seria até uma boa a CBF já mandar a taça hoje para o Maracanã.

Assim, o Fla pode entregar o troféu ao Maior de Minas e se desculpar por toda sujeirada que aconteceu nos anos 80, tanto no Brasileiro quanto na Libertadores.

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL