PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milton: Será um vexame se o Palmeiras acabar o Brasileiro atrás do Timão

Jogadores do Corinthians comemoram gol de Gabriel Pereira contra o Fluminense - Ettore Chiereguini/AGIF
Jogadores do Corinthians comemoram gol de Gabriel Pereira contra o Fluminense Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

13/10/2021 22h53

Corinthians 1 x 0 Fluminense

Vocês se lembram daquele papo sobre primeira, segunda, terceira, quarta e quinta força do futebol paulista?

Pois é, a gente começou o Brasileiro colocando o Palmeiras na ponta disparado.

E com o Corinthians em último, também disparado.

Mas o mundo da bola, como vocês bem sabem, dá muitas e muitas voltas.

E hoje o futebol paulista está na seguinte ordem, do melhor para o pior: Red Bull Bragantino, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos.

Sim, pelo visto, o Verdão vai conseguir acabar o Brasileiro atrás do Corinthians.

Convenhamos, se isso acontecer mesmo, será mais um novo vexame na história alviverde.

Claro, já que conta com um elenco bem mais recheado que o do time do Parque São Jorge.

E, pela vitória de hoje, contra o Fluminense, o Alvinegro vai mesmo para cima do G-4.

O problema será superar os embaladíssimos Fortaleza ou Red Bull Bragantino.

Acho que não vai dar...

Mas estou sentindo que o Timão vai, sim, para a Libertadores sem escalas.

Isso porque herdará a vaga deixada pelo Galo, que vai levar a Copa do Brasil.

E o Palmeiras, se não levar a taça contra o Flamengo, periga não disputar a competição continental na temporada que vem, viu?

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL