PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milton: Emocionantes fotos da carreira de Fiori, que hoje faria 93 anos

Fiori Gigliotti, um dos maiores locutores esportivos de todos os tempos - Acervo/Que Fim Levou?
Fiori Gigliotti, um dos maiores locutores esportivos de todos os tempos Imagem: Acervo/Que Fim Levou?
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

27/09/2021 09h15

Como o próprio costumava dizer em suas inesquecíveis narrações, "o tempo passa, torcida brasileira?".

Afinal, dá para acreditar que o inesquecível Fiori Gigliotti faria hoje... 93 anos?

E já faz também 15 anos de sua partida, que aconteceu em 2006, por falência múltipla de órgãos.

O rádio esportivo nunca chorou tanto quanto naquele dia.

E como sonhei em trabalhar com Fiori na Rádio Bandeirantes.

Na minha infância, imaginava o histórico narrador me chamando: "E agora com vocês Milton Neves, o mooooço de Muzambinho".

Não deu tempo de trabalharmos juntos na Band, mas dividimos diversos debates na Record, principalmente no "Debate Bola" e no "Golaço" da Rede Mulher (hoje Record News).

Bem, eu peço que vocês vejam com atenção as fotos abaixo, que contam detalhes fantásticos da carreira do "Locutor da Torcida Brasileira".

Elas fazem parte do riquíssimo acervo da seção "Que Fim Levou?" e são realmente emocionantes!

Da esquerda para a direita: João Alexandre Colombani, Roberto Silva, Ênnio Rodrigues, Fiori Giglioti e Nilson Bastos Bento. Foto enviada pelo internauta Tico Cassolla

Da esquerda para a direita, Feitiço, Petronilho de Brito (o quarto), Waldemar de Brito e Fiori Gigliotii (o sétimo). Foto enviada por Benedito Vital Luvizotto

Da esquerda para a direita, Araken Patuska (o segundo), Petronilho de Brito (o terceiro), Waldemar de Brito (o quarto) e Fiori Gigliotti (o sexto), em 1976. Foto enviada por Benedito Vital Luvizotto

"Eu cheguei à Rádio Bandeirantes AM em 1987. Minha contratação foi a coisa mais louca do mundo. O velho Munis tinha falecido e sem eu saber havia deixado o Pedro Luiz como responsável pela minha mudança de prefixo. Pedro era meu chefe na Gazeta e foi ele quem negociou com Darcy Reis minha ida para o escrete do Rádio. Eu só fiz me apresentar na nova emissora... salário, horário, dias de trabalho tava acertado entre os dois e eu cumpri... simples assim. Pois bem, na Rádio Bandeirantes minhas primeiras coberturas internacionais foram apenas SEOUL 88 e ITÁLIA 90. Antes de ir para Roma, primeira Copa do Mundo com o escrete do Rádio, leia o que um senhor chamado Fiori Giglioti me escreveu de próprio punho. Contenha-se, não chore, se puder..." Foto: Arquivo pessoal Octavio Muniz Filho

Em pé, da esquerda para a direita: Homero Brandão, Eurico, Nando, Luis Moreira, Fiori Giglioti, Salim, Léo, Chico de Assis, Felipe, Tuca, Ennio Rodrigues, Carlão e Esquerdinha. Agachados: Luis Lima, Sandoval, Zé Obis, José Carlos Silva, Pavãozinho, Flávio Araújo, Valcir, Oslain Galvão, Walter, Coronel, Paulinho e Paraná. Foto enviada pelo internauta Antonio Carlos Nogueira de Oliveira

Na tabela aparecem, na horizontal: Fiori Gigliotti, Mauro Pinheiro, Flávio Araújo e Barbosa Filho. Na vertical: Ênnio Rodrigues, Fernando Solera, Luiz Augusto Maltoni e Borghi Junior. Foto enviada por Frank Fortes

Milton Neves prepara-se para entregar o troféu "Melhores do Paulistão" a Fiori Giglioti. Atrás, o primeiro da esquerda para a direita é Paulinho McLaren. Entre Fiori e Milton está o ex-jogador Edinho. Atrás de Milton, parcialmente encoberto, está Velloso e o último é Bentinho. Foto: Diário Popular

Ao lado do também narrador Jorge Vinicius

Em 03 de outubro de 1997, Adhemar Cobrinha ao lado do saudoso Fiori Gigliotti na festa de ex-jogadores do Palmeiras. Foto: arquivo pessoal de Adhemar Viva, o Cobrinha

No dia 3 de setembro de 2012, Marcelo Gigliotti, filho do saudoso Fiori, visitou a redação do Portal Terceiro Tempo: ele é o primeiro, da esquerda para a direita, seguido pelos jornalistas Paulo Rogério e Milton Neves

Da esquerda para a direita, Dr. Vicente Gualtieri e Fiori Gigliotti, em jogo do escrete do rádio. Foto: José Walter Batista Pinto/Jornal de Osvaldo Cruz, enviada por Luiz Carlos Ferreira

O grande Fiori, nos anos 80. Foto: Cedom (Centro de Documentação e Memória da Rádio Bandeirantes), enviada por Milton Parron

O saudoso narrador Fiori Giglioti, recebendo o microfone, na inauguração das arquibancadas do estádio Ferreirão, do Porto Ferreira Futebol Clube, em 1988. Foto enviada por Roberto Ribaldo

O saudoso narrador Fiori Giglioti, o segundo da esquerda para a direita, na inauguração das arquibancadas do estádio Ferreirão, do Porto Ferreira Futebol Clube, em 1988. Foto enviada por Roberto Ribaldo

A edição de maio da Revista Veja trazia em seu conteúdo uma bela matéria sobre dois grandes locutores brasilieros: Fiori Giglioti, de bigode, e José Silvério. Ambos com passagem pela Rádio Bandeirantes, que completou 75 anos no mês de maio de 2012. Foto: Reprodução/Sérgio Berezovsky

Na imagem de divulgação da partida entre Brasil e Argentina, pela Taça de Nações, aparecem vários craques do rádio: Fiori Gigliotti, Mauro Pinheiro, Êno Rodrigues, Luiz Maltori e Borghi Júnior.

Em pé, da esquerda para a direita, o segundo é Zé Quatigá, enquanto o nono é o saudoso Fiori Gigliotti

O grande narrador Fiori Gigliotti em mais uma foto.

Fiori Gigliotti posa ao lado da equipe técnica da Rádio Record AM.

Fiori Gigliotti e Milton Neves, eternos amigos

Alvaro José, Osmar de Oliveira, Fiori e Edu Zebini

Nas imagens, de cima para baixo: Fiori Giglioti, Flávio Araújo, Mauro Pinheiro, Ênnio Rodrigues, Darcy Reis, Fernando Solera, Loureiro Júnior, Chico de Assis, Roberto Silva, Barbosa Filho, Luiz Augusto Maltoni e J. Hawilla

Em 1982, Flávio Guimarães entrevistou os narradores Osmar Santos, em primeiro plano, e Fiori Giglioti, ao fundo, ambos à direita da imagem. Foto: Arquivo pessoal

Em pé, da esquerda para a direita: Prof. Aquino, João Costa, Prof. Mário Baraldi e Mauro. Sentados: Ênnio Rodrigues, Fiori Giglioti e Roberto Silva. Foto enviada por Tico Cassolla

Na entrega da XXIII Bola de Prata, na sede da Editora Abril, em São Paulo. Mauro Beting, Milton Neves, Juca Kfouri e Fiori Gigliotti

Rogério Assis, Tatá Muniz, Fiori Gigliotti, Zancopé Simões e Luis Carlos Quartorollo. Foto enviada por Tatá Muniz

Tatá Muniz, Luís Lombardi, Rogério Michelleti, Ricardo Capriotti e Fiori Giglioti no estúdio da Rede Mulher. Foto enviada por Tatá Muniz

Carlos Eduardo (o "Dudu"), Milton Neves, Fiori Giglioti e Silvio Natacci. Foto enviada por Silvio Natacci

Aparecem na foto: Tônia Azevedo (trabalhando em Londres desde 2001), Paulo Planet Buarque, Fiori Giglioti, Walter Abrahão, Mário Marinho, Silvio Natacci, Paulo Roberto Houch (presidente da Editora On Line) e Mauro Naves. Foto enviada por Silvio Natacci

Roberto Monteiro e sua filha posam para a foto com Fiori Gigliotti, enquanto Antônio Júlio Baltazar aparece à esquerda

Enquanto Fiori Gigliotti e Roberto Monteiro posam para a foto, Ênnio Rodrigues, de branco, aparece atrás

À direita, aparecem Tony José, irmão de Luís Carlos Quartarollo, e o saudoso Fiori Giglioti

Fiori Giglioti, Ennio Rodrigues, Oscar Ulisses, João Zanforlin, Dalmo Pessa, Sérgio Carvalho, Osvaldo dos Santos, Luiz Augusto Maltoni e Ney Costa. Foto enviada por Ney Costa

Em 1993, os premiados do Sindicato dos Treinadores Profissionais do Estado de São Paulo, sob a gestão do ex-árbitro Olten Ayres de Abreu.Da esquerda para a direita: José Silvério, Juca Kfouri, José Eduardo Mesquita Pimenta, Milton Neves, José Carlos Brunoro, Otávio Muniz (atrás),Olten Ayres de Abreu, Constantino Cury (atrás), José Roberto Guimarães, Kalef João Francisco (atrás), Valdir Joaquim de Moraes, Fernando Casal de Rey (atrás), Wanderleiy Nogueira, Fiori Giglioti e José Teixeira (parcialmente encoberto, atrás de Fiori)

Com o saudoso Fiori Gigliotti, um dos maiores narradores esportivos de todos os tempos. Foto enviada por José Eduardo Savóia

No dia 04 de outubro de 1966 foi inaugurado o Estádio Municipal "Frederico Platzeck", em Garça. Fiori Giglioti, "o eterno locutor da torcida brasileira", esteve presente com seu memorável Scratch da Rádio Banderiantes, que venceu uma seleção garcense por 4 a 3.Na foto, o trio de arbitragem local, que mediou a peleja amistosa: Da esquerda para a direita: Ranulfo José da Silva, Valter Bosquê Garcia, Fiori Giglioti, Moisés Rodrigues Santana e João Alexandre Colombani (jornalista garcense). Foto enviada por Wanderley "Tico" Cassolla

Milton Neves, Osmar de Oliveira e o saudoso Fiori Giglioti, uma das figuras mais queridas e respeitadas da crônica esportiva brasileira

No programa apresentado por Milton Neves entre entre 2001 e 2007 na Record, Milton Neves está ao lado do querido e saudoso Fiori Gigliotti

Veja Mestre Fiori em mais uma de suas narrações "in loco"

Zé Carlos e Fiori na confraternização dos veteranos do Verdão, em 1999

Rogério ´´Avestruz´´ Assis, Otávio Munis, o saudoso Fiori Giglioti, Zancopé e Luis Carlos ´´Cascavel´´ Quartarollo: que timaço, hein?

Milton Neves exibindo mais um troféu que ganhou em sua carreira ao lado de grandes companheiros de imprensa e homens do futebol. A foto é de meados da década de 1980 e foi tirada no teatro Gazeta. Na fila de cima temos, da esquerda para a direita, Luciano Junior, Tata Muniz, Kalef João Francisco e personagem não identificado; na fila do meio estão Sérgio Carvalho, Constantino Cury, Fernando Casal de Rey e o professor José Teixeira; na primeira fila vemos Milton Neves, Brunoro, Olten Ayres de Abreu, José Roberto Guimarâes, Valdir Joaquim de Moraes, Wanderley Nogueira e Fiori Giglioti.

O polivalente André Santos, à época jogador do Corinthians, teve a honra de receber o troféu das mãos de Fiori Giglioti.

Da esquerda para a direita, Jamelli, o meia Alexandre, uma modelo santista, o técnico Candinho, uma modelo palmeirense, Paulinho McLaren, Fiori Giglioti (sueter amarelo), Edinho (ex-lateral da Lusa), Milton Neves, Bentinho, uma modelo são-paulina, Zé Elias e Antônio Carlos

Milton Neves e Ruy Carlos Ostermann, à esquerda, e Fiori Giglioti e Osmar Santos, os dois últimos à direita, participaram daquele seminário organizado pela revista Imprensa. O evento foi realizado em 1995, no Anhembi, em São Paulo

Bentivegna e Oberdan Cattani em mais uma das homenagens do Palmeiras para seus ex-jogadores. Lá atrás, uma das duplas de maior sucesso da história do rádio brasileiro: o saudoso Fiori Giglioti e o microfone!

Os corintianos morrem de saudades de Fiori narrando gols de Luizinho, Baltazar, Flávio, Rivellino, Paulo Borges, Nei, Basílio, Geraldão, Neto, Tupãzinho, Marcelinho e etc. Já de Dualib...

Milton Neves ao lado do saudoso e inesquecível Fiori Giglioti, o nosso querido Mestre Fiori.

Fiori posa em um dos programas "Golaço", da extinta Rede Mulher de Televisão

O repórter e narrador Carlos Eduardo Leite (o Dudu), Milton Neves e o saudoso e inesquecível Fiori Giglioti.

Enquanto Fiori Giglioti discursa, Geraldo Scotto, segundo da esquerda para a direita, é mais uma vez homenageado

Em 1998, no aeroporto de Orly, na França, Barbosa Filho e sua esposa são abraçados por Milton Neves. À direita, o saudoso Fiori Giglioti e seu filho Marcelo. À esquerda, o grande Dalmo Pessoa.

Ao lado do saudoso Fiori Gigliott,i em mais um evento voltado para jornalistas

Aqui, Barbosa é o primeiro e Milton Neves o último, da esquerda para a direita.

Aeroporto de Orly, na França, em 1998: com greve dos maleiros franceses, a equipe da Rádio Record chegava para a cobertura da Copa. Da esquerda para a direita, você vê Dalmo Pessoa, esposa de Barbosa Filho, o saudoso comentarista, o imortal Fiori Giglioti e seu filho Marcelo.

Emd ezembro de 2005, em festa do União dos Operários: Orlando Gato Preto é o primeiro, seguido por Paes, Fiori Gigliotti e Lima

Fiori Gigliotti e Vanderlei Luxemburgo: craques em suas áreas de trabalho

Tatá, Lombardi, Micheletti, Capriotti e o "mestre Fiori"

Ricardo Capriotti, Rogério Micheletti e Fiori Gigliotti: escelentes jornalistas de gerações distintas. Os três tiveram boas passagens pela Rádio Record

Fábio Bertoluzzi e Fiori Gigliotti

Desde sua infância em Lins (SP), Fiori sempre adorou os debates esportivos. Da esquerda para a direita, Tatá Muniz, Luiz Lombardi, Ricardo Capriotti e Fiori Giglioti

Milton Neves presenteia o "Mestre Fiori" com uma cesta de frutas. Capriotti e Micheletti (à direita) observam

Da esquerda para a direita: Tatá Muniz, Luiz Lombardi, Rogério Micheletti, Ricardo Capriotti e Fiori Gigliotti.

Fiori Gigliotti (último, da esquerda para a direita) fez parte da equipe de comentaristas do programa "Golaço", da Rede Mulher de Televisão, comandado por Milton Neves, no dia 19 de abril de 2005. Ao seu lado, Ricardo Capriotti, Rogério Micheletti, Luiz Lombardi e Tatá Muniz

Milton Neves e seu ídolo desde a infância: Fiori Gigliotti

Fiori Gigliotti, em 1998, na Copa da França

Festa do prêmio Ford Aceesp de 1997. Acima: Vágner Lima (ex-repórter da TV Gazeta), Dalmo Pessoa, Pedro Luiz Ronco, Júlio Deodoro (encoberto pelo saudoso Fiori Giglioti) e Milton Neves. Na fila abaixo: Oswaldo Paschoal, Pedro Bassan, Fiori Giglioti e Dirceu Maravilha.

Festa do prêmio Ford Aceesp de 1997. Acima: Vágner Lima (ex-repórter da TV Gazeta), Dalmo Pessoa, Pedro Luiz Ronco, Júlio Deodoro (encoberto pelo saudoso Fiori Giglioti) e Milton Neves. Na fila abaixo: Oswaldo Paschoal, Pedro Bassan, Fiori Giglioti e Dirceu Maravilha.

Confira a bela turma de jornalistas que almoçou no restaurante Praça de São Lourenço, em São Paulo, no dia 17 de fevereiro de 2006. Da esquerda para a direita: Tônia Azevedo, Paulo Planet Buarque, Fiori Gigliotti, Walter Abrahão, Mário Marinho, Silvio Natacci, Paulo Roberto Houch e Mauro Naves

O ex-zagueiro e hoje técnico Estevam Soares era um confesso admirador de Fiori Gigliotti

O ex-narrador sempre foi muito respeitado pelo mundo do futebol

Estevam Soares, Badeco (ex-Lusa e Corinthians) e Fiori Gigliotti

No dia 26 de maio de 1978, na Copa da Argentina: Oswaldo dos Santos, Salomão Ésper e Fiori Gigliotti

Fiori Gigliotti e Chico de Assis: dois nomes gravados na história do rádio brasileiro

Leivinha e o "mestre" Fiori Gigliotti

Acima, um autógrafo do inesquecível Fiori Giglioti ao jornalista Márcio Torvano.

O dial com os principais locutores do rádio esportivo brasileiro. Uma homenagem do Museu do Futebol aos grandes nomes da "latinha". Crédito fotos: Léo Morelli/ Portal iG

O mestre Fiori Giglioti foi homenageado pelo Museu do Futebol inaugurado no dia 29 de setembro de 2008. Crédito fotos: Léo Morelli/ Portal iG

Anúncio publicitário da equipe da Rádio Bandeirantes. Fiori está lá comandando o time

Dorval, Fiori Giglioti e Lalá, em Roma, em 1960: o mestre do rádio viajou o mundo ao lado do Santos.

O vaidoso Fiori Gigliotti jogava com meia de rede, conta Chico Fonseca, que nos enviou a foto. Infelizmente não temos a identificação dos outros na foto. Alguém sabe?

Fiori Gigliotti apresenta prêmio e observa Troféu que está em posse do querido Chico Fonseca que nos enviou essa e outras fotos, colaborando com a memória do mestre Fiori

Osmar Santos em algum programa de TV patrocinado pela Sanyo, provavelmente no início da década de 80, creio que seja o Japan Pop Show da Bandeirantes. crédito foto: Chico Fonseca

Prêmio por ótimos serviços prestados ao rádio jornalismo. Merecidíssimo

Mais troféus que o inesquecível Fiori Gigliotti acumulou por sua vitoriosa carreira

Fiori Gigliotti foi homenageado com o grande prêmio. crédito foto: Chico Fonseca

Fiori diante do microfone. Sucesso garantido.

Equipe Rádio Bandeirantes da Copa de 1982. Em pé: Oswaldo dos Santos, Dalmo Pessoa, Fiori Giglioti, Ennio Rodrigues e Luiz Augusto Maltoni. Agachados: Ney Costa, Oscar Ulisses, João Zanforlin e Sérgio Carvalho.

Dia em que o novo gramado do Palestra de São Bernardo foi inaugurado, em 1982. Da esquerda para a direita estão Antonio Sola, o repórter Jurandir Martins, Nei Mariano, Fiori Giglioti, o locutor Antonio Cavalcanti e o diretor técnico da liga profissional de Santo André Paulo Pelegrini

Jantar de aniversário da equipe "Objetiva" em 1979. Da esquerda para a direita o terceiro é Antonio Constantino Neto, diretor da rádio ABC, o quarto é Cesar Franco de Moraes, então preparador físico do Santo Andr, o quinto é Fiori Giglioti e o sexto é Antonio Sola

Fiori e o microfone: uma parceria que dava certo em qualquer situação.

Fiori Giglioti e Flávio Adauto: dois grandes homens de comunicação.

Da esquerda para a direita: Biro-Biro (ex-Corinthians), Darcy Reis, Dalmo Pessoa e Fiori Giglioti. Era o "craque do mês" (Biro-Biro), recebendo como prêmio uma televisão

Fiori Giglioti (à esquerda) em treino da Seleção Brasileira em 1982, na Copa da Espanha. Fiori está com os fones de ouvido. Capitão Hidalgo segura a alça da sacola. Dalmo Pessoa com a mão na boca e seus óculos peculiares. Enio Rodrigues segura o microfone da Rádio Bandeirantes com a mão direita e um cigarro com a esquerda.

Empunhando seus microfones, Milton Peruzzi e Fiori Gigliotti cobrem encontro de Djalma Santos com o embaixador da Hungria, antes de um Brasil e Hungria, em 1959. Ao fundo, Mauro Ramos de Oliveira. O último, à direita, é Alfredo Ramos, o Polvo

Mauro Pinheiro e Fiori Gigliotti no gramado do Morumbi

Édson Leite, Fiori Gigliotti e Pedro Luiz. Feras da crônica esportiva brasileira reunidos em 1958

Fiori Giglioti, em começo de carreira, em 1950. Ele empunha o microfone na cabine da Linense, pela Lins Rádio Clube, ao lado do comentarista Ramos Antunes.

1959: Dorval e Fiori em Lisboa, Portugal

Da esquerda para a direita: Mário Moraes, Odilon Cesar Bras, Pompeu Lopes, o novinho Fiori Gigliotti e Álvaro Paes Leme

Fiori, novinho, aos 17 anos, na Lins Rádio Clube

Tom Barbosa e Fiori Gigliotti, em pé, entrevistam João Havelange, Paulo Machado de Carvalho, Carlos Nascimento e Aymoré Moreira, em 1963

Fiori Gigliotti, em 1953, como repórter de campo da Rádio Bandeirantes. Olhem como era "pequeno" o microfone naquela época

Fiori Giglioti sendo homenageado pelo então Diário Popular no dia 31 de julho de 1995. Milton Neves foi o apresentador e, ao fundo, você vê Bentinho, ex-Lusa e São Paulo.

Fiori também batia sua bolinha. Acima, em 1973, o craque dos microfones é o segundo, da esquerda para a direita. O doutor Rui Mendes é o primeiro, e Arnaldo Abreu é o último. A peleja aconteceu na cidade de Paranapanema, no interior de São Paulo.

Tabela Paulistão - Em pé: Jaime Madeira, Ennio Rodrigues, Flávio Araújo, Mauro Pinheiro, Fiori Giglioti, Luiz Augusto Maltoni, Domingos Leoni, Fernando Solera e Jorge Mello. Agachados: Borghi Júnior, Luiz Carlos Moreira, José Paulo de Andrade, Osvaldo dos Santos, Alexandre Santos, Carlos Alberto de Castro e Dinamérico Aguiar

Em pé: Sérgio Arapuã de Andrade, Ennio Rodrigues, Flávio Araújo, Mauro Pinheiro, Fiori Gigliotti, Luiz Augusto Maltoni, Luiz Aguiar, Ethel Rodrigues e Jorge Mello. Agachados: Barbosa Filho, Dante Borghi Júnior, Alexandre Santos, Estevam Sangirardi, José Paulo de Andrade, Engenheiro Bottini, Dieter Glaeser e Fernando Solera

EM PÉ: Dieter Glaeser, Roberto Silva, Luiz Augusto Maltoni, Dinamérico Aguiar, José Carlos Silva, Luís Moreira, Tony Lourenço e Alexandre Santos. SENTADOS: Chico de Assis, Osvaldo dos Santos, Ennio Rodrigues, Fiori Gigliotti, Flávio Araújo, J. Hawilla, Barbosa Filho e Borgui Júnior

Confira a equipe da Bandeirantes do terraço do prédio da rádio. Da esquerda pra direita, em pé: Darcy Reis, Sérgio Barbalho, Paulo Edson, Luís Augusto Maltoni, Ana Marina, Ênnio Rodrigues, Fiori Giglioti, Dalmo Pessoa, Oscar Ulisses, João Zanforlin e Tony José. Agachados: Jota Júnior, Roberto Silva (Olho Vivo), Wilson de Freitas, Eduardo Luis (Ligeirinho), Roberto Monteiro e Sérgio Carvalho

Acima, uma das equipes de Futsal da Rádio Bandeirantes. EM PÉ: Chico de Assis, Fiori Gigliotti, Tony Lourenço e o goleiro Roberto Silva ( o Olho Vivo). AGACHADOS: João Zanforlin, José Obis e J. Havilla

Ethel Rodrigues, Chico de Assis e Fiori Gigliotti, em 1963, na Rádio Bandeirantes

Aí está o mestre Fiori Giglioti ao lado de Nabor Vilas Boas, do futebol amador de Pinhalão (PR). Fiori jogou futebol beneficente em vários cantos do Brasil.

A foto, do dia 21 de junho de 1959, foi tirada na cidade espanhola de La Coruña. Maravilhosa por si só, mostra o Peixe posando 30 minutos depois de um jogo em que o goleou o Botafogo por 4 a 1 e ficou com a taça do torneio Tereza Herrera, um dos mais tradicionais do mundo disputado desde 1946. Por sinal, o alvinegro da Vila jogou tanto naquela ocasião que a torcida não arredou pé do estádio, lá ficando para aplaudir ininterruptamente os craques que bailavam com a camisa branca mais famosa do mundo. Em pé estão o tesoureiro Ciro Costa, Dorval, Fioti, o inesquecível Fiori Giglioti, o médico da delegação Daló Salerno, Lula, Getúlio, cartola não identificado, Zito, Athié Jorge Cury, Formiga, Lalá, Ramiro, Laércio, Mourão, mais um cartola não identificado, Modesto Roma e mais dois membros da delegação não identificados. Na fila de baixo estão Feijó, Dalmo, Pavão, Alfredinho, Coutinho, Álvaro, Afonsinho, Pelé, Pepe e o massagista Macedo com a camisa com a letra "E" estampada, em referência à palavra enfermeiro que, anos depois, seria substituída no meio futebolístico pelo "M" de massagista. Quanta saudade...e viva o Santos meu amor!!!!!

Em 9 de agosto de 1967, em Paraguaçu Paulista. No churrasco com amigos da cidade do interior de São Paulo, Fiori é o terceiro da esquerda para a direita, de blusa escura. Foto: Acervo de Paulo James

Em 9 de agosto de 1967, em Paraguaçu Paulista. No grupo da frente, Fiori Gigliotti é o quarto, da esquerda para a direita. Atrás dele, de boina, está Albino Bacchi. Foto: Acervo de Paulo James

Duas outras saudades: a esposa Adelaide (falecida em 2016) e o filho Marcelo (falecido em 29 de setembro de 2020). Foto: arquivo pessoal de Marcelo Gigliotti

Em pé, da esquerda para a direita, Fiori Gigliotti, Zé Ângelo Minozzi, João Zanforlin e Américo Minozzi (pai de Zé Ângelo). Foto: arquivo pessoal de Ademir Minozzi, irmão do Zé Ângelo

Fiori Gigliotti, Luis Pereira e o massagista Mario Romano em 2 de julho de 1988 no campo da General Motors

A equipe do Escrete do Rádio (Bandeirantes) em Jaú, em 31 de agosto de 1991. Em pé, da esquerda para a direita, o terceiro é Fiori Gigliotti e o penúltimo é o massagista Mario Romano

Fiori Gigliotti, o empresário Vanir Matteo e Gino Orlando no Morumbi, nos anos 60. Foto: Reprodução

Fiori Gigliotti sendo entrevistado pelo repórter Nilsinho Zanchetta (de Araras-SP) no começo dos anos 2000. Foto: arquivo pessoal de Nilsinho Zanchetta

Ranulfo Jose da Silva, Valter "Palmital" Garcia, Fiori Giglioti, Moisés Rodrigues Santa e João Alexandre Colombani. Reprodução/Facebbok/Wanderley Tico Cassolla

Dois momentos do querido e saudoso Fiori Giglioti

Equipe da Rádio Bandeirantes no final do ano de 1982 reunida no Estádio do Morumbi: Darcy Reis, Dirceu Maravilha, Flávio Adauto, Eder Luiz, Amancio do Vale, Ênnio Rodrigues, Ana Marina Maioli, Fiori Giglioti, Roberto Monteiro, Luiz Carlos Grey, Eduardo Luiz (Ligeirinho), Luiz Augusto Maltoni, Sérgio Barbalho, Tony José, João Zanforlin, Rogério Achilles e Ivo Morganti

No forte time da Rádio Bandeirantes. Reprodução

Homenagem da Prefeitura de Barra Bonita a Fiori Giglioti, feita em setembro de 2017

Jogos Abertos de 1988, em Piracicaba. Kerko Tomaziello, Toninho Barrichello, Rogerio Achilles, Fiori Gigliotti, Chico de Assis, Tony José e Rogério Rosário Tomaziello (saudoso pai de Rogério). Foto: Arquivo/Edvaldo Tietz

Crachá de Fiori Giglioti na Rádio Bandeirantes em 1981. Imagem: arquivo pessoal de Marcos Pazzini

Fiori Giglioti e seu filho Marcos Pazzini. Foto: arquivo pessoal de Marcos Pazzini

Fiori Giglioti e seu filho Marcos Pazzini. Foto: arquivo pessoal de Marcos Pazzini

Em setembro de 2017 foi organizada a 1ª Corrida das Estâncias Turísticas "Fiori Giglioti", em Barra Bonita, sua cidade natal.

O famoso Escrete da Rádio Bandeirantes jogou em Garça, no dia 18 de agosto de 1.978, na inauguração dos refletores do Estádio Municipal "Frederico Platzeck", sob o comando de Fiori Giglioti, o locutor da torcida brasileira, que é o quinto em pé, da esquerda para direita. Foto enviada por Tico Cassola

Santistas reunidos na década de 60. Foto publicada no Facebook da ASSOPHIS

Dorval, Fiori Giglioti e Sormani, em Roma, 1961. (Foto: Acervo pessoal)

Chico de Assis dividiu microfone com o saudoso Fiori Giglioti. Foto: reprodução

Carlos Dias, Fiori Gigliotti e João Tomaz, quando da entrega do título de Cidadão Diademense ao locutor. Foto enviada por João Tomaz

Fiori Gigliotti com Itiro Hirano, diretor da Nakata, no norte do pantanal. Foto enviada por João Tomaz

No pantanal, em 1989, com a equipe da Nakata. Da esquerda para a direita, o primeiro é Fiori Gigliotti, o quarto é Tony José e o último é João Tomaz. Foto enviada por João Tomaz

Jornalistas presentes na sede da Nakata, em Diadema-SP, por ocasião da premiação Melhores do Rádio Esportivo. Na imagem, Fiori Gigliotti aparece em pé, de paletó cinza, com as mãos sobre os ombros do narrador Jorge Vinicius

Em 1989, em jogo do Escrete do Rádio em Diadema. Fiori Gigliotti é o penúltimo em pé, da esquerda para a direita, seguido por João Tomaz

Casa que foi de Fiori Giglioti, em Águas de São Pedro-SP com placa de `Aluga-se´em 16 de outubro de 2015. Foto enviada por Edvaldo Tietz

Casa que foi de Fiori Giglioti, em Águas de São Pedro-SP. À esquerda, no poste de iluminação, a inscrição: `Pedacinho do Céu´. Foto enviada por Edvaldo Tietz

Milton Neves e Fiogi Giglioti na década de 90

Texto de Fiori Giglioti em 1979, com muitos elogios ao atacante palmeirense Osmir. Reprodução/arquivo pessoal de Osmir

Em 13 de dezembro de 1981, no lendário e extinto estádio Roberto Gomes Pedrosa (antigo estádio do XV de Piracicaba) aparecem Fiori Giglioti (com uniforme do Escrete do Rádio da Rádio Bandeirantes momentos antes da partida). O jornalista Edvaldo Tietz (segundo da esquerda para a direita) e mais três fãs do locutor da torcida brasileira. Na época, o homem de Barra Bonita estava com 53 anos, no auge de sua brilhante carreira. Foto enviada por Edvaldo Tietz

Flâmula lançada pela Rádio Bandeirantes durante a Copa do Mundo de 1966 autografada pelo inesquecível Fiori Gigliotti. Foto enviada pelo jornalista Márcio Torvano

Imagem interna do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti

Uma das relíquias do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti

Parte interna do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti

Inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti é destaque no Jornal do Brás. Imagem enviada por Marcos Pazzini, filho mais velho de Fiori

Inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti é destaque na Folha de Vila Prudente. Imagem enviada por Marcos Pazzini, filho mais velho de Fiori

O saudoso Fiori Giglioti em 2005 e seu filho Marcos Pazzini, em 2014

Marcelo e Marcos, filhos de Fiori, na inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti, em setembro de 2014Foto: Divulgação/Juventus

Inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti, em setembro de 2014Foto: Divulgação/Juventus

Inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti, em setembro de 2014Foto: Divulgação/Juventus

Marcos, filhos de Fiori, discursa na inauguração do Inauguração do Parque Sabesp Mooca Radialista Fiori Gigliotti, em setembro de 2014Foto: Germano Augusto

Em 11 de agosto de 2014, o governador Geraldo Alckmin assina decreto e homenageou Fiori Gigliotti. Nasceu o Parque SABESP-Mooca Radialista Fiori Gigliotti

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL