PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milton: A crise palmeirense tem nome e sobrenome: Abel Ferreira

Abel Ferreira tecnico do Palmeiras durante partida contra o Corinthians  - Ettore Chiereguini/AGIF
Abel Ferreira tecnico do Palmeiras durante partida contra o Corinthians Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

26/09/2021 09h56

Não se trata de perseguição, meus amigos.

Mas é o assunto do momento e eu não posso fugir dele.

O Palmeiras, queiram ou não, apesar de ainda estar "vivo" na Libertadores, vive uma crise terrível.

Principalmente depois dessa dura derrota para o timeco do Corinthians.

E, mesmo com o revés, Abel Ferreira teve a pachorra de dizer em sua coletiva que o "O Palmeiras assumiu o jogo e foi protagonista".

Ah, tenha dó?

O Palmeiras, como de praxe, jogou em Itaquera com medo dos reforços sub-40 do Timão.

E aí, nas redes sociais, vemos palestrinos "passando pano" para o treinador, dizendo que o presidente que não deu bons jogadores ao técnico nesta temporada.

Ora, o time palmeirense não é melhor do que o Galo e do que o Flamengo, é verdade.

Mas o elenco do time paulista é o mais equilibrado do Brasil.

Queria ver Abel Ferreira treinando os rivais Santos, São Paulo e Corinthians?

Aí sim ele perceberia o que é ter que fazer uma boa omelete sem ovos.

Então, não tem essa de terceirizar a culpa pela atual crise vivida pelo Palmeiras.

Ela tem nome e sobrenome: Abel Ferreira.

E é provável que ele não chegue ao mês de outubro como técnico alviverde, para alívio dos palmeirenses conscientes.

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL