PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milton: Chega a ser crueldade manter Volpi como titular do SP

Tiago Volpi, durante a partida do São Paulo contra o Fortaleza, pela Copa do Brasil - Marcello Zambrana/AGIF
Tiago Volpi, durante a partida do São Paulo contra o Fortaleza, pela Copa do Brasil Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

16/09/2021 09h50

Dizem que, sem confiança, a gente não consegue pegar um copo no armário da cozinha.

A tensão pode ser tão grande a ponto de o dito cujo escorregar de nossa mão e se espatifar no chão.

E isso, obviamente, serve também para todo setor de atividade humana.

E, principalmente, no esporte.

Não à toa, veja no tênis ou no vôlei, quando um jogador ou um time abre 2 a 0 e, na sequência, perde um set.

Geralmente o adversário é quem ganha a partida.

É que o psicológico do time que estava vencendo vai para o beleléu e tudo começa a dar errado, enquanto, em contrapartida, mentalmente o rival cresce e começa a acertar tudo.

Bem, mas e daí?

E daí que, por causa de tudo isso, chega a ser crueldade de Crespo manter Tiago Volpi como titular do São Paulo.

Ele, é claro, não é o pior goleiro que o Tricolor já teve.

Mas eu não me lembro de um arqueiro em pior fase na meta tricolor.

É impressionante como praticamente toda bola, de longe ou de perto, acaba entrando.

Ele precisa de um tempo no banco para recuperar a confiança e não ficar ainda mais queimado com a torcida.

"Ah, mas os reservas são ruins".

Mesmo assim.

E aposto que nenhum suplente esteja vivendo um momento tão tenebroso quanto o titular são-paulino.

Tenha compaixão, Crespo!

E dê um tempo para o bom goleiro que veio do futebol mexicano.

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL