PUBLICIDADE
Topo

Milly Lacombe

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Suspeita de racismo mancha jogo entre Inter e Corinthians

Imagens captaram momento em que Rafael Ramos teria chamado Edenílson de "macaco" em Inter x Corinthians - Reprodução/Premiere
Imagens captaram momento em que Rafael Ramos teria chamado Edenílson de "macaco" em Inter x Corinthians Imagem: Reprodução/Premiere
Conteúdo exclusivo para assinantes
Milly Lacombe

Milly Lacombe, 53, é jornalista, roteirista e escritora. Cronista com coluna nas revistas Trip e Tpm, é autora de cinco livros, entre eles o romance O Ano em Que Morri em Nova York. Acredita em Proust, Machado, Eça, Clarice, Baldwin, Lorde e em longos cafés-da-manhã. Como Nelson Rodrigues acha que o sábado é uma ilusão e, como Camus, que o futebol ensina quase tudo sobre a vida.

Colunista do UOL

14/05/2022 21h28

Inter e Corinthians faziam um jogo corajoso, limpo e ofensivo quando, na metade do segundo tempo, tudo desmoronou.

Em disputa de bola com o corintiano Rafael Ramos, Edenilson parou o jogo, chamou o juiz e, ao que parece, disse que tinha sido ofendido. Houve um junta aí, muita gente falando com Edenilson para entender o que aconteceu, informações iniciais de repórteres em campo indicando que houve de fato uma injuria racial. Percebendo que a tensão ia aumentar, Vitor Pereira tirou Ramos, que foi para o banco calado e calado ficou.

Na saída depois do apito final, mais silêncio para todos os lados. Mas é certo que a situação será esclarecida. Ficaremos sabendo se houve racismo e, então, poderemos pressionar por atitudes.

Se houve, me parece inquestionável que acaba aqui a passagem de Ramos pelo Corinthians. Se não houve, ainda assim teremos que entender o que aconteceu porque Edenilson estava visivelmente abalado e inconformado depois de bater boca com o lateral do Corinthians.

Ramos saiu e o jogo, que até ali era excelente, ruiu. Vendo pela TV tive a impressão que, emocionalmente, ficaram todos destruídos.

Uma pena que, outra vez, estejamos falando sobre isso. Os dois times jogavam bem, o Corinthians mostra a cada jogo que cresce como candidato ao título, o Inter de Mano, entre altos e baixos, se constroi como time ofensivo e perigoso, mas não há como focar em análises táticas, técnicas ou estratégicas diante de mais uma suspeita de racismo no futebol.