PUBLICIDADE
Topo

Milly Lacombe

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A CBF não pode ignorar a tragédia inscrita na marca de 500 mil mortes

500 mil mortes de covid no Brasil - Cristina Corat/UOL
500 mil mortes de covid no Brasil Imagem: Cristina Corat/UOL
Milly Lacombe

Milly Lacombe, 53, é jornalista, roteirista e escritora. Cronista com coluna nas revistas Trip e Tpm, é autora de cinco livros, entre eles o romance O Ano em Que Morri em Nova York. Acredita em Proust, Machado, Eça, Clarice, Baldwin, Lorde e em longos cafés-da-manhã. Como Nelson Rodrigues acha que o sábado é uma ilusão e, como Camus, que o futebol ensina quase tudo sobre a vida.

Colunista do UOL

19/06/2021 15h44

Não há como CBF e seleção ignorarem a marca de 500 mil mortes por Covid no Brasil. Isso não quer dizer que nosso futebol se manifestará. Mas quer dizer, em volume muito alto, que se a CBF optar por silenciar dará um passo enorme - mais um - rumo à desconexão com a população, fazendo uma aliança ainda mais sólida com a imoralidade, a indecência, a conivência.

Já não se torce mais pela seleção brasileira, e isso deveria ser considerado um problema. Quem assiste aos jogos, o faz com certa frieza. O sonho do torcedor e da torcedora envolvendo a seleção é o de que ela não convoque seus craques. A camisa amarela, bem, essa deixou de pesar faz um tempo. A seleção milionária vai sumindo do imaginário popular, chafurdando em lama moral, uma goleada por vez.

Mas a vida, soberana, renova nossas chances de reparar erros passados, de repensar rumos, de corrigir rotas. Então, se a CBF escolher se manifestar formalmente a respeito das vidas desnecessariamente perdidas de 500 mil brasileiros e brasileiras - homenagens que precisam ir além do um minuto de silêncio que abre os jogos do Brasileirão e da Copa do Brasil - poderá recuperar um mínimo do prestígio que perdeu.

Existem muitas formas de se manifestar. Colocar uma faixa de luto no braço de cada jogador - uma atitude que clubes poderiam fazer -, pensar em uma campanha de conscientização, usar espaços publicitários para homenagear o SUS... são amplas as possibilidades.

Vejam: não estou sequer sugerindo que a CBF tenha a dignidade de se posicionar contra a catastrófica e desumana administração de Jair Bolsonaro. Seria correto, enorme, histórico.

Mas sabemos que a CBF não é feita desse tipo de coragem, ou sequer desse tipo de desalinhamento ideológico. O que estou dizendo é que, quando o país atinge a triste marca de meio milhão de mortos por uma doença para a qual existe vacina, seria no mínimo íntegro que a associação que rege uma das maiores instituições brasileiras - o futebol - demonstrasse algum tipo de empatia e de compaixão para deixar, assim, um fio, uma miga, de esperança para a possibilidade de não se tratar de uma associação interessada apenas em dinheiro e em poder. Mas também em pessoas e no futebol que essas pessoas amam.

Sabemos perfeitamente que pensar assim é ingenuidade e inocência, mas em tempos de guerra como esses, quando tudo é cinismo e destruição, precisamos nos agarrar até em ilusões fabricadas.

Silenciar diante de 500 mil corpos é, mais uma vez, se acovardar. É renovar o pacto macabro com a delinquência moral que nos inunda. É debochar da cara das 500 mil famílias que hoje choram a morte de quem não precisaria ter morrido se o Presidente da República tivesse agido para interromper a circulação do vírus - e não para espalhá-lo.

Não se trata aqui de especular sobre o tema; estamos falando de fatos, de dados, de pesquisa. Quase 400 mil vidas, entre as 500 mil que foram perdidas, teriam sido salvas se o governo federal tivesse atuado para controlar, para isolar, e para vacinar enquanto havia tempo.

Calar frente ao absurdo que é estarmos sendo exterminados por políticas públicas que nos submetem - alguns mais do que outros - ao vírus, à fome e à bala é seguir sendo conivente com o genocídio.

Se for esse o caso - e eu apostaria que vai ser - deveríamos nos perguntar: por quem e para quem joga a seleção brasileira de futebol masculino? Para a população brasileira é que não é.

Vamos lá, CBF. Hora de escolher se seguirá de braços dados com o fascismo ou se existe pelo menos um farelo de dignidade entre seus membros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL