PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: Um ano sem Maradona

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

25/11/2021 04h00

O maior.

O maior personagem que o futebol criou.

Um deus canhoto, gênio, humano. Muito humano.

Os dribles, os gols, as polêmicas, os tombos: tudo em Maradona foi exagerado.

Hoje completa um ano do dia que abalou o futebol e fez chorar arquibancadas no mundo inteiro.

Choros descontrolados, sentidos, doloridos.

Soluços desesperados de uma torcida que o amava como ele amava ser amado.

Diego foi tanto que há quem ousava (e ainda ousa) compará-lo a Pelé: uma heresia, fato.

Mas Maradona encantou tanto, jogou tanto, apareceu tanto, apaixonou tantos, viveu tanto e tão loucamente que virou deus em vida.

Segue deus.

Talento bruto, carisma absurdo, genial, genioso, enorme.

Gracias a D10s, eu vi jogar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL