PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: O pentacampeão ignora e é ignorado pela Copa a cada 2 anos

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

20/10/2021 22h40

Há alguns meses lemos aqui e acolá sobre o projeto da Fifa de diminuir o intervalo entre as Copas do Mundo. A ideia é multiplicar dólares, mas se usa um verniz de melhorar os calendários dos clubes, de otimizar as viagens dos grandes craques e de dar mais chances aos muitos países filiados à entidade de realizarem o sonho dourado de jogar um Mundial.

O assunto aqui não sai das manchetes da editoria "futebol internacional, porque o único país pentacampeão do mundo não só tem ignorado o tema, como tem sido (sem cerimônia) ignorado. Mais um dos efeitos do esvaziamento moral e político da presidência da CBF.

Desde que Charles Miller desembarcou com bolas por aqui, somos vistos com admiração pelos rivais: os de campo; e os dos bastidores. Como diria o outro, o jogo virou...

A sequência de escândalos e banimentos de cartolas brasileiros por suas posturas, digamos, pouco republicanas tirou o Brasil de várias diretorias, vice-presidências e comitês. A sequência de decisões politicamente erradas (barbeiragens como o voto em Marrocos para sede da Copa de 2026) maculou a chance de muitos postulantes a parceiros amistoso da Fifa. O futebol da Seleção, inclusive, também deixou de abrir algumas portas.

Não se trata de um post lamentando os tempos idos de forte presença e influência de certos ex-dirigentes brasileiros (foram tarde!), mas de lamentar com muita força a falta de dirigentes que pudessem com seriedade, profissionalismo e honestidade ocupar o vácuo de poder que produz, entre outras coisas, essa bizarrice de o Brasil ser irrelevante na conversa sobre a periodicidade da Copa do Mundo. Outro dia mesmo o presidente da Fifa esteve na Argentina, mas não fez escala aqui, não... Aqui não há plano algum para mudanças no calendário mundial; é bem capaz de termos Campeonato Brasileiro em datas da nova Copa (contém ironia e temor).

Vexatório.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL