PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: Mais um capítulo da indignação seletiva

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

13/09/2021 09h47

O VAR (escrevi e respirei fundo) vai protagonizar mais um capítulo da infinita novela da indignação seletiva.

Desta vez (também vale escrever outra vez) o Corinthians, na pessoa de seu presidente, vai pegar sua máscara, seu álcool em gel e seu bilhete de embarque para ir presencialmente à sede da CBF para pedir para ouvir o áudio do VAR do jogo de ontem.

2021 e a CBF segue escondendo a sua contestada (fui gentil) Comissão de Arbitragem atrás de uma cabine blindada, escura e à prova de grampos.

2021 e o VAR analógico brasileiro segue interferindo no andamento dos jogos e atrapalhando a dinâmica da partida sem deixar rastro.

Cadê os áudios?

Cadê o registro do uso do VAR nas súmulas dos jogos?

Cadê o presidente da Comissão de Arbitragem para explicar o que acontece por trás dos fones de ouvido? Cadê?

Parte da culpa dessa bizarrice é o silêncio cúmplice dos clubes que só se incomodam quando se consideram prejudicados.

Por que os clubes aceitam o combo salinha escura/manutenção do segredo dos áudios? Por quê?

Por que tanto medo em protestar? Por quê?

A indignação seletiva só serve aos árbitros, à Comissão de Arbitragem e manutenção dessa cena patética.

E é necessário admitir: o silêncio e o sumiço de Leonardo Gaciba cumprem com o objetivo de transformar muitas reclamações legítimas em mimimi de indignado seletivo.

Já, já aparece uma apresentação de PPT para provar que somos todos facilmente enganáveis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL