PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: o capítulo do VAR no "Caboclogate"

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

09/06/2021 19h29

Em novo áudio do Caboclogate divulgado hoje pelo jornalista Pedro Ivo Almeida da ESPN temos a explicação para os lixos dos relatórios de Power Point de Leonardo Gaciba e seus pupilos sobre o VAR.

Note como é feita a avaliação dessa joça, que não tem nada a ver com "justiça", nada a ver com protocolos, nada a ver com a fé cega dos idiotas da objetividade nessa ferramenta que é, sim, falha e cheia de silêncios misteriosos e descalibragens.

Em conversa de Caboclo com assessores não identificados captada em 2018 (ano de estreia do VAR na Copa do Brasil), eles destacam o trabalho de comunicação da Fifa sobre o VAR.

"A Fifa adotou um negócio, Rogério, que eu acho que é interessante. A Fifa bancou um discurso do que eles querem. 'E o VAR? Foi perfeito'. (...) 'Os juízes? Foram ótimos'. Eles não piscam, não piscam. Isso é uma lição desse processo", diz um dos assessores - claramente pouco incomodado com a verdade e com real qualidade do serviço.

"O (Gianni) Infantino (presidente da Fifa) dá várias lições", diz outro assessor.

"Eles erraram em várias coisas, mas eles não...", tenta completar o primeiro, quando é cortado por Caboclo, presidente afastado da CBF.

"Isso é um filho da puta, mas ele é bom por isso", diz Rogério Caboclo se referindo ao chefe da Fifa com quem já tinha atritos.

Queria ver imagens da cabine do VAR lá na Suíça ao receber essas novas revelações...

OS: Se alguém tiver notícias do que anda fazendo Leonardo Gaciba, por favor, mande carta à redação..

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL