PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

Marília Ruiz: Semana de 'mata-matas' no Brasileiro de pontos perdidos

 Boschilia, do Internacional, disputa lance com Igor Vinicius, do São Paulo, durante partida do primeiro turno - Pedro H. Tesch/AGIF
Boschilia, do Internacional, disputa lance com Igor Vinicius, do São Paulo, durante partida do primeiro turno Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF
Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

18/01/2021 10h16

Palmeiras x Corinthians, São Paulo x Inter, Grêmio x Galo, Flamengo x Palmeiras... Exceção feita ao enorme dérbi paulista de hoje, que por si só sempre é uma "final", temos confrontos decisivos entre os postulantes ao título dos "pontos perdidos" deste ano.

Os ares frescos de 2019, os recordes de gols, posse de bola, mapas de calor aquecidíssimos e etc, ficaram para trás neste Covidão-20. As dificuldades habituais do torneio somadas à maratona imposta aos atletas neste calendário surreal que adotamos deram ao final do campeonato uma indefinição surpreendente.

Os detalhes de cada clube são coisas muito grandes para esquecer...

A fila são-paulina, as finais palmeirenses, a busca pelo patamar perdido do Flamengo, o copeiro Renato, o custo-benefício do Sampaoli, o ídolo Abel Braga: será interessante ver como cada um vai desenhar sua estratégia em jogos que valem muitos mais que os três pontos.

Diniz carrega a sua fila, a fila do clube, um rearranjo da nova diretoria e a pressão de quem perdeu 6 pontos da vantagem que lhe davam tranquilidade na liderança.

Abel Ferreira tem duas finais pela frente. Tem a chance de tornar a temporada palmeirense perfeita: de Paulista (antes dele) a Mundial. Antes, entretanto, tem hoje o despretensioso (do ponto de vista da disputa) Corinthians, que pode lhe dar mais do que três pontos. Pode lhe dar o melhor doping emocional para o jogo do dia 20/1.

Rogério Ceni não tem só que ir em busca do cálice (patamar) perdido. Ele tem 3 jogos na semana para ter paz, inclusive, para faze testes em treinos.

Renato Gaúcho tem sempre o álibi das Copas. Mas até para estar na próxima Copa Libertadores (sem depender de bater o Palmeiras) precisa empatar menos. Sampaoli, que não foi contratado para fazer valer o couvert artístico dos jogos do Galo, precisa ganhar "confrontos diretos"com seus pares. Se falamos de fila, ele também não ganha um título há um tempinho. O Galo? Espera o bi do Brasileiro desde 1971.

E o Abel Braga? 6 vitórias seguidas. Seis. No campeonato de pontos perdidos, quem tem feito diferente - sem cobrar couvert artístico? Ele. Pragmaticamente. Com sorte muitas vezes. Vale também. Aplaudamos