PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

Marília Ruiz: Unesco monitora violência contra as jornalistas

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

28/10/2020 12h23

Você é uma jornalista que sofreu violência online?

Você foi vítima de abuso e assédio sexual nas mídias sociais, alvo de ataques de segurança digital que violam a sua privacidade, ou mesmo ameaçada de estupro ou assassinato online?

Você já testemunhou tal violência online contra uma jornalista mulher?

Ou você é responsável por gerir mulheres que são jornalistas?

Se você respondeu sim a qualquer uma destas perguntas, precisamos da sua ajuda para que possamos ajudá-la.

A Organização Educacional Científica e Cultural das Nações Unidas (UNESCO) e o Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ) lançaram uma pesquisa global para avaliar a escala da violência online dirigida às mulheres jornalistas em todo o mundo, e para ajudar a identificar soluções para este problema nocivo.

Eu fui convidada a participar do estudo. Participei.

Se você também quer ajudar, acesse o link UNESCO - #JournalistsTOO

Temos leis.

Temos meios de combater os criminosos que se escondem atrás de perfis que acreditam ser "fantasmas" (SIM PODEMOS IDENTIFICAR) ou de números pré-pagos de celular (TAMBÉM IDENTIFICÁVEIS).

Eu tenho mais coragem do que medo.

Não vou parar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.