Luís Rosa

Luís Rosa

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Palmeiras atropela o Atlético-MG e encosta de vez no bloco dos líderes

Apontar a expulsão do atacante Hulk como o fator decisivo para a vitória do Palmeiras, por 4 a 0, sobre o Atlético-MG, na Arena MRV, estádio do adversário em Belo Horizonte, é um tremendo exagero.

Com a terceira vitória consecutiva, segunda fora de casa, o Palmeiras, que havia vencido antes Criciúma em Santa Catarina, e depois o Vasco da Gama, no Allianz Parque, chegou a 17 pontos.

O Atlético-MG, último invicto a cair neste Campeonato Brasileiro, estaciona nos 13 pontos, na nona posição.

Dessa maneira, o Palmeiras ocupa a quinta colocação, empatado com o Athletico-PR, que é quarto no critério de desempate saldo de gols. O líder é o Botafogo, 19 pontos. Flamengo e Bahia somam 18 pontos e estão, respectivamente em segundo e terceiro na classificação.

Quando o atleticano foi expulso, aos 30 minutos do primeiro tempo, após bater boca com o árbitro Rodrigo José Pereira de Lima, o Palmeiras já tinha traduzido o domínio das ações no gol do volante Aníbal Moreno e seguia muito melhor em campo.

Na primeira partida do Palmeiras no estádio atleticano, o bom futebol apresentado foi possível também porque o técnico Abel Ferreira apostou na mesma escalação da equipe titular da partida contra o Vasco da Gama.

Se caprichasse melhor nas finalizações, o Palmeiras teria definido a vitória ainda no primeiro tempo.

Na volta para o segundo tempo, concentrado em não perder um jogador por expulsão, os palmeirenses trataram de resolver logo a partida. Aos 15 minutos, Piquerez marcou de pênalti, que foi sofrido por Zé Rafael, aos 15 minutos.

Um minuto depois, em bela jogada, Estêvão anotou o terceiro. Na comemoração, o garoto que começou a carreira no Cruzeiro, fez gesto com dedo na boca de silêncio para os torcedores atleticanos.

Continua após a publicidade

O clima ficou tenso com a fúria da torcida, que atirou copos até em direção a jogadores e membros da comissão técnica que estavam no banco de reservas. Com a ajuda até de jogadores do Galo, os ânimos se acalmar.

Nos acréscimos, dois reservas que entraram no decorrer da etapa final fecharam a maior vitória do Palmeiras em Minas Gerais. No cruzamento do lateral esquerdo Vanderlan, Flaco López só teve o trabalho de mandar para o fundo do gol.

Logo após o apito final da partida, furioso com o entrevero com o lateral direito Marcos Rocha, o atacante Paulinho, que tomou uma cotovelada em uma disputada de bola, tentou agredir o palmeirense e recebeu o cartão vermelho.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes