PUBLICIDADE
Topo

Lei em Campo

Arsenal se une à ONU para enfrentar as mudanças climáticas

Lei em Campo

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós graduado e mestrando em Direito Desportivo, é conselheiro do Instituto Ibero Americano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro "#Prass38".

27/11/2020 04h00

Por Ivana Negrão

A meta é ousada: chegar a neutralidade climática em 2050. Para tanto, a Organização das Nações Unidas criou um projeto com base no acordo de Paris 2016 para promover o consumo sustentável, reduzir o impacto e criar maior responsabilidade ambiental, educar sobre a ação climática, além de defendê-la por meio da comunicação.

O Arsenal foi o primeiro clube da Premier League a aderir ao plano publicamente. "Esse tipo de ação é muito bem-vinda no futebol. Vemos os clubes se posicionando e o compromisso vai muito além de seguir legislações sobre o meio ambiente. Ele coloca o clube de Londres num movimento global de comprometimento com a preservação do planeta", avalia o advogado especialista em compliance, Fernando Monfardini.

A iniciativa "UN Sports for Climate Action Framework" da ONU já recebeu a adesão da Fifa e da Uefa, do Comitê Olímpico Internacional, da Fórmula 1, da NBA e NFL, entre outras ligas e entidades.

"O esporte inspira tantos de nós ao redor do mundo e há um potencial notável para esse universo se tornar mais verde, mais resiliente climaticamente e liderar o exemplo para milhões de torcedores globais", disse a chefe do Grupo pela Mudança Climática na ONU, Lindita Xhaferi-Salihu.

Não se trata de algo obrigatório. Logo não há multa ou punição por não cumprimento do acordo. O que há é comprometimento.

O Arsenal já foi classificado o clube mais sustentável da Premier League em 2019, segundo estudo da BBC e das Nações Unidas, por implementar uma série de práticas ecologicamente corretas, como a mudança para eletricidade 100% verde. Uma nova parceria com a empresa de embalagens de alumínio, Ball Corporation, também foi projetada para ajudar o clube e os torcedores em todo o mundo a reduzir impacto no meio ambiente.

O objetivo, de acordo com o diretor de operações do clube, Hywel Sloman, é seguir usando o poder e o alcance do Arsenal para inspirar e impulsionar uns aos outros em direção a um futuro mais sustentável."

"A grande jogada aí é que com compromissos públicos como esse, você consegue gerar mais confiança no mercado para buscar novos investidores. É uma ótima medida do Arsenal. Seria legal que outros clubes seguissem o exemplo. E mais positivo ainda se buscassem outros projetos que tenham relação com práticas anticorrupção e prevenção a lavagem de dinheiro, que são grandes males do futebol", pondera Rodrigo Carril, advogado especialista em gestão e membro do Instituto Compliance Brasil.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL