PUBLICIDADE
Topo

Com autorização do governo, La Liga volta dia 8 de junho

Lei em Campo

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós graduando em Direito Esportivo e conselheiro do Instituto Ibero Americano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro ?#Prass38?.

23/05/2020 10h10

Agora é oficial. O governo espanhol deu luz verde para retomada do futebol no país no dia 8 de junho. E a participação do Estado nessa hora de uma crise inimaginável, que implica em uma necessária proteção à vida das pessoas, se torna fundamental. Antes de explicar, a informação.

Em entrevista à imprensa na manhã deste sábado (23/05), o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, anunciou que o futebol tem autorização para voltar.

"Com o aval do Conselho Superior de Desportos, deu-se luz verde para que se possa voltar a jogar a liga de futebol profissional, a partir de 8 de junho", disse ele.

A La Liga foi suspensa no dia 12 de março. A suspensão aconteceu depois de ter sido decretada uma quarentena a equipe do Real Madrid, e de possíveis casos de atletas contaminados nos clubes.

A interrupção da competição, inicialmente valida por duas semanas, foi prolongada indefinidamente no dia 23 de março, Ainda faltam 11 rodadas para o fim do Campeonato Espanhol.

Com a crise provocada pelo coronavírus, o Estado passou a trabalhar junto com as organizações esportivas. E tem a palavra final sobre como e quando o esporte pode voltar. Não é uma perda de autonomia do esporte. Nada disso. Essa autonomia se legitima na proteção de valores maiores, como Direitos Humanos.

Coma se tem algo maior a proteger, a vida das pessoas, é natural que esporte e governos dialoguem, ouvindo autoridades especializadas em saúde pública, para decidir sobre a volta do esporte.

Como bem diz o professor Wladimyr Camargos, colunista do Lei em Campo e profundo estudioso dessa relação entre Estado e esporte, "o respeito aos Direitos Humanos é elemento interno, não externo, da autonomia esportiva. É autolimite próprio da Lex Sportiva".

Mas como muitos dirigentes ainda não entenderam a necessidade de se proteger Direitos maiores, acredito ser mais do que necessária a participação do Estado nessa hora.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

Lei em Campo, por Andrei Kampff