Julio Gomes

Julio Gomes

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Real Madrid nem é mais notícia. Bola de Ouro para Vinícius Jr é a história

Chegou a hora de Vinícius Jr ser coroado. Talvez pudesse ter acontecido em 2022, talvez ainda fosse muito cedo. Por como foi a temporada 2023/2024, e sinceramente a Eurocopa de seleções já não importa mais, não é possível que Vinícius Jr não seja o Bola de Ouro. Ele merece ganhar o prêmio de melhor jogador do mundo na temporada.

Retifico: tudo pode acontecer nessas votações, porque já vimos recentemente que a idiotice dos votantes chega até ao absurdo de não prestarem a atenção no período determinado de jogos. Também já vimos que a má vontade com Vinícius existe. O Marca, o jornal porta-voz do Real Madrid, sequer colocou Vini na seleção da última Liga espanhola, vencida pelo clube. Racismo? Só má vontade? Eles enxergam algo que não enxergamos? Não sei. Vão ter que engolir esse menino de São Gonçalo. Qualquer coisa que não seja dar a Bola de Ouro para ele será simplesmente um erro. E, se acontecer, será o primeiro desde Kaká, o primeiro desde 2007. Vini tinha só 7 aninhos de idade.

Esta é a grande notícia do sábado. Porque o Real Madrid campeão não é notícia. 15 vezes campeão da Europa. Jogadores como Carvajal, autor do primeiro gol, Nacho, um esforçado e tanto, e Modric já têm seis títulos de Champions League na carreira, tantos quanto o Bayern de Munique ou o Milan. Na lista de títulos está assim: 15 para o Real, 7 para o Milan, 6 para o Bayern, o Liverpool, o Nacho... pois é.

Vini Jr foi o autor da jogada que gerou o primeiro da série de escanteios que acabaram no gol de cabeça de Carvajal. Foram sete escanteios para o Real no segundo tempo. No momento do 1 a 0, aos 29min da etapa final, o jogo já estava mais para o Madrid. E, a partir daí, foi só Madrid até chegar o segundo gol, marcado por Vini.

O primeiro tempo tinha sido outro, com domínio total do Borussia Dortmund, melhor ocupação dos espaços e várias chances de ouro criadas. Adeyemi teve um cara a cara com Courtois, Fullkrug acertou a trave, o goleiro belga apareceu como titular na hora certa para fazer as defesaças que está habituado a fazer. Tudo sempre dá certo para o Real Madrid, tudo dá sempre errado para os outros. Quando o Borussia perde um gol, outro, depois outro, tenho certeza que você, leitor, leitora, já olhou para quem estava do lado e fez aquela cara de "já sabemos o que vai acontecer, já vimos esse filme".

Não há fantasmas para o Real. Não tem alemão, não tem Bayern, não tem Guardiola, não tem azar. O Real não perde uma final europeia desde 1981. São 9 vitórias seguidas em finais, 6 nos últimos 11 torneios. O Real Madrid nem é mais notícia.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Deixe seu comentário

Só para assinantes