PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Palmeiras e Galo fazem jogo de sobrevivência e decepcionam

Marcos Rocha domina a bola enquanto recebe a marcação de Hulk durante Palmeiras x Atlético-MG - Marcello Zambrana/AGIF
Marcos Rocha domina a bola enquanto recebe a marcação de Hulk durante Palmeiras x Atlético-MG Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
só para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

05/06/2022 17h59

Palmeiras e Atlético Mineiro fizeram um jogo decepcionante neste domingo, considerando que era duelo de primeiro contra segundo, os dois melhores times do Brasil no ano passado e dois dos favoritos ao título. Claramente, um jogo em que, para os dois, era mais importante não perder do que ganhar.

Um jogo condicionado pela Data Fifa, obviamente. Mas ausências de Weverton, Gomez, Danilo e Arana não justificam tudo.

O Atlético, mesmo fora de casa, tentou mais. Considerando que 10 dias atrás o time perdia do Tolima em casa e quebrava-se um pouco a lua de mel entre o Turco Mohamed e torcida, era importante dar sinais de vida. O Galo tem pontuação de time que briga pelo título, mas mostra-se constantemente mais vulnerável do que no ano passado.

No Allianz, a vulnerabilidade deu lugar à consistência. A única grande chance cedida pelo Atlético foi no fim do primeiro tempo, uma saída de bola errada que deu a Rafael Navarro a oportunidade mais clara da partida - ele bateu mal. De resto, foi um jogo controlado em que o empate era bom.

O Palmeiras tinha muitos desfalques e ainda perdeu Raphael Veiga no comecinho. Desenhou-se, assim, um cenário parecido. Era importante não perder em casa para um grande rival pelo título. E assim foi.

Marcos Rocha falou que "perdemos a chance de matar o jogo com o 1 a 0", o que mostra como o plano não era exatamente ambicioso. Hulk reclamou do "gramado sintético" e celebrou empate contra um "adversário direto" - "ambos vieram para não perder", disse o melhor jogador do Galo. Se tivesse dado uma folha com um enorme 0 a 0 para os dois técnicos antes da partida, ambos teriam assinado.