PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A Mourinho, o que é sempre de Mourinho: O troféu

Mourinho celebra o título da Conference League pela Roma - Valerio Pennicino - UEFA/UEFA via Getty Images
Mourinho celebra o título da Conference League pela Roma Imagem: Valerio Pennicino - UEFA/UEFA via Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

25/05/2022 18h03

Não é qualquer um que consegue ser campeão europeu com o Porto. Ou com a Inter de Milão. Não é qualquer um que consegue vencer uma competição de pontos corridos contra Guardiola e Messi. Não é qualquer um que consegue levantar troféus no Manchester United pós-Ferguson. Não é qualquer um que consegue ser campeão de uma competição com a Roma.

Quem consegue tudo isso? José Mário dos Santos Mourinho Félix, 59 anos, nascido na belíssima Setúbal.

Com o 1 a 0 sobre o Feyenoord, a Roma conquistou a Conference League, uma competição criada neste ano para ser a terceira mais importante da Europa. Que se dane! É uma conquista europeia, que a Roma não tinha desde 1961, há 61 anos - na ocasião, a Copa de Feiras, que viraria Copa da Uefa, que hoje é a Europa League. Será a maior festa nas ruas de Roma desde o Scudetto histórico de 2001.

Havia quanto tempo um time italiano não vencia um torneio europeu? Havia 12 anos, quando a Inter conquistou a Champions League. Adivinhem quem era o técnico?

Há quem odeie, há quem ame José Mourinho. Seja pelo estilo dos times, seja pelo estilo de trabalho. Mou não é mais o cara de 10, 15 anos atrás. Não é mais disputado a tapa pelos grandes da Europa. O jogo dele pode não ser o mais vistoso, mas não dá para chamar de desatualizado. Mou recebeu um carimbo exagerado de retranqueiro e assim ficou, assim ficará. Não acho que ele esteja muito preocupado com isso.

Os debates sobre Mourinho acontecem muito mais nas mesas redondas do que na vida real. Os torcedores e jogadores dos clubes por onde passam Mourinho são simplesmente apaixonados por ele. Um grande amigo romanista (romano de verdade, com quem mantenho contato) me escreveu assim que o jogo acabou: "Que final horrível! Mas ele é demais. Se o Mourinho me pedisse hoje, eu..." (bem, aqui terei de censurar meu amigo).

O carimbo mais justo que se pode colocar neste cara é o de campeão. São cinco finais europeias e cinco títulos, ao contrário de outros gênios que sucumbem em jogos decisivos.

José Mourinho sempre será o "special one", porque ele é mesmo especial. É um cara que consegue fazer times serem campeões. Até a Roma!