PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Liverpool ganha a Copa, mas saídas de Salah e Van Dijk geram pânico

Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

14/05/2022 15h46

É inacreditável que Liverpool e Chelsea tenham feito duas finais, jogado 240 minutos (mais um monte de acréscimos) e nem um gol sequer tenha saído - principalmente porque os dois jogos, o que decidiu a Copa da Liga Inglesa, em fevereiro, e o que decidiu a Copa da Inglaterra, neste sábado, foram partidaças, com muitas e muitas chances para os dois lados. No fim, pênaltis novamente.

Desta vez, o técnico Tuchel não fez a bobagem de substituir Mendy por Kepa no gol. Mendy fez a parte dele, defendeu a cobrança do compatriota Mané, que podia ter definido já naquele momento o título para o Liverpool. Depois, Alisson parou Mount e a conquista, 16 anos depois da última FA Cup vencida pelos Reds, voltou a Liverpool. É o segundo título para Klopp e companhia na temporada.

Só em 2000/2001, o Liverpool havia conquistado Copa e Copa da Liga no mesmo ano. São 50 troféus para o clube mais laureado do país.

O ponto principal para o Liverpool, que chegou a todas as finais de mata-mata e, portanto, jogará o número máximo de partidas na temporada, é o desgaste. E as substituições de Salah e Van Dijk hoje geram verdadeiro pânico entre os torcedores - daqui a duas semanas, Liverpool e Real Madrid decidem o título europeu.

O egípcio saiu de campo no primeiro tempo, com um desconforto muscular. As próximas horas indicarão se há uma lesão ou se foi apenas um susto e a (correta) decisão de não arriscar Salah para a grande decisão de 28 de maio, em Paris.

Alisson sentiu ao longo do jogo, mas continuou em campo, o mesmo aconteceu com Thiago - que mostrou sentir bastante dor após bater o pênalti dele na disputa final. Van Dijk foi substituído no intervalo entre tempo normal e prorrogação. Fabinho já está machucado.

Há uma impressão de que Salah e Van Dijk saíram muito mais por medo de algo mais grave acontecer. Mas nunca se sabe, a decisão do Stade de France está pertinho.

O Liverpool vai pagando um preço que era impossível não pagar, o excesso de jogos e o caráter decisivo destas partidas. Enquanto isso, o Real Madrid navega tranquilo na Espanha, com o título conquistado, gerenciando minutos dos principais jogadores.

Os Reds ainda podem sonhar com um inédito "quadruple", mas é quase impossível virar a Premier League para cima do Manchester City. Enquanto isso, Jurgen Klopp comemora o título doméstico que faltava para ele desde a chegada a Liverpool, em 2015. O cara já ganhou Champions, Mundial da Fifa, Premier League, Copa da Liga, Supercopa e, agora, a FA Cup. Só não ganhou a Europa League - foi derrotado pelo Sevilla na final, em 2016, mas depois o Liverpool não jogou mais o torneio.