PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gomes: Atlético 'cancela' final com o Flamengo e vira virtual campeão

Hulk comemora o gol de empate do Atlético-MG, que iniciou a reação diante do Cuiabá - Pedro Souza/Atlético-MG
Hulk comemora o gol de empate do Atlético-MG, que iniciou a reação diante do Cuiabá Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

25/10/2021 05h01

No Brasileiro dos pontos corridos, nunca um time havia tido sete pontos ou mais para o segundo colocado e perdido o campeonato. Só aconteceu uma vez. E foi neste ano. Era o Brasileirão de 2020, que a pandemia empurrou para frente. O raio, que nunca havia caído, cairá duas vezes no mesmo lugar? Ou no mesmo ano? Duvido muito. A poucos dias do esperado confronto direto entre Flamengo e Atlético Mineiro, separados agora por sete pontos (perdidos), nada faz parecer que o título nacional não irá parar, afinal, na Cidade do Galo.

O São Paulo, de Leco, Raí, Pássaro e Diniz, passou o Reveillón pandêmico cumprindo distanciamento social e com distanciamento na tabela, eram sete pontos de vantagem para quem vinha logo atrás. Mas acordou da ressaca da virada sem dois destes elementos. Começou a derreter e jogou fora um campeonato "ganho" - é a estatística histórica que confere o termo.

Se o Atlético não repetir o São Paulo, será campeão brasileiro pela primeira vez em 50 anos. Basta não derreter. E não há razões para achar que isso irá ocorrer. O Galo não vai trocar de diretoria nesta semana, não tem um técnico em constante corda bamba e muito menos um elenco cheio de buracos e limitações, como era o do São Paulo-2020/2021.

Para melhorar o cenário todo, o Atlético conseguiu recuperar o bom jogo e aumentar a gordura justo antes do tal confronto direto. Um duelo que muitos adorariam chamar de "final antecipada", mas que não será final nenhuma. Mesmo que perca, a vantagem do Galo ainda será estratosférica.

Já faz tempo que o Atlético tem mais de sete pontos de frente para o segundo colocado, mas era (e é) sempre necessário olhar para os jogos a menos do Flamengo na tabela. E só agora, depois desta rodada do fim de semana, que o time de Cuca chegou a sete pontos de vantagem nos pontos perdidos. Se o Flamengo vencesse seus dois jogos a menos, que disputará sabe-se lá quando, a diferença ficaria nos tais sete pontos.

A vantagem que o São Paulo - e ninguém mais - desperdiçou. Houve viradas maiores nos pontos corridos, mas olhando da perspectiva de quem produziu a virada (exemplo, Flamengo de 2009) e não olhando para a diferença entre o primeiro colocado e seu perseguidor mais próximo.

Quando um campeonato fica entre dois times e entramos no terço final, é natural olhar para cada rodada desta disputa particular. Nas rodadas da Data Fifa de outubro, o Flamengo, com desfalques mais sensíveis que os do Galo e jogos mais difíceis, se deu bem por manter a desvantagem que tinha - ou seja, sobreviver na disputa. Mas um período de uma semana, simplesmente sete dias, foi suficiente para deixar o Atlético como virtual campeão brasileiro.

A série de eventos começou no domingo passado, quando o Galo, finalmente, perdeu - para o Atlético-GO. Naquele momento, às 20h de domingo, o Flamengo estava em campo e dependia somente de suas próprias forças para ser campeão brasileiro novamente. Mas aí o time de Renato empacou no Cuiabá, 0 a 0.

No meio de semana, o Atlético, que vinha derrapando em termos de desempenho, fez brilhantes 4 a 0 sobre o Fortaleza pela Copa do Brasil - enquanto o Flamengo empatou com o Athletico-PR. Ou seja, na quarta-feira à noite, o Galo recuperava a confiança de forma dupla, pois voltava a jogar bem e tinha a garantia de estar na final da Copa do Brasil, podendo olhar para o Brasileiro com 100% das atenções.

O terceiro ato veio com a rodada deste fim de semana. O Fla teve mais uma atuação pífia no Fla-Flu, sábado à noite, e perdeu o jogo. O Atlético tinha a chance de aproveitar contra o mesmo Cuiabá que empatou o Flamengo sete dias antes. E aproveitou, fez 2 a 1 e abriu vantagem na tabela.

No próximo sábado, haverá o esperado confronto direto entre eles, no Maracanã. Antes, no meio de semana, ambos voltam a campo pela Copa do Brasil, e Cuca, se for esperto, pode gerenciar o elenco e nem mandar alguns jogadores mais desgastados para a partida de volta contra o Fortaleza. Já Renato, que já convive com desfalques, não tem como gerenciar nada. Precisa dar uma resposta para a torcida e classificar o time para a decisão.

No Brasileiro, restará ao Flamengo vencer o Galo para voltar a diferença a dez pontos - que seriam quatro nos pontos perdidos. Vejam o tamanho do buraco. Se o time mineiro sair do Maracanã com uma vitória ou mesmo com um empate, já pode dar a faixa. Já estamos em contagem regressiva, o Atlético é o virtual campeão brasileiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL