PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gomes: Barcelona flerta com o desastre, mas sobrevive na Champions

Sergio Agüero entrou no segundo tempo contra o Dynamo - Alex Caparros/Getty Images
Sergio Agüero entrou no segundo tempo contra o Dynamo Imagem: Alex Caparros/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

20/10/2021 15h39

Depois de duas derrotas nos dois primeiros jogos e o pior início de sua história em uma competição europeia, o Barcelona conseguiu sobreviver na Liga dos Campeões com uma magra vitória por 1 a 0 sobre Dynamo de Kiev.

Foi um jogo bastante ruim do Barça, sem inspiração alguma. Depois da vitória por 3 a 1 sobre o Valencia, no fim de semana, a esperança era embalar antes do superclássico contra o Real Madrid (domingo). Não foi o caso. Pelo menos veio a vitória, mas o desempenho ficou abaixo da crítica.

O Barça sobrevive na Champions e torce agora para o Bayern de Munique bater o Benfica na dobradinha de jogos entre eles. Caberia ao time de Koeman vencer o Dynamo de novo, em Kiev, daqui a duas semanas, e depois decidir em casa a vaga contra o time de Jorge Jesus.

Mas agora as atenções voltam-se ao superclássico. Se o Real Madrid fez 5 a 0 no Shakhtar, ontem, com brilhante atuação de Vinícius Jr, hoje o Barcelona precisou suar para segurar a vitória.

No primeiro tempo, quase nada aconteceu. Uma posse de bola estéril, sem acelerar nem envolver o adversário, e que só gerou ocasiões em um ou outro cruzamento para a área. Em um deles, Alba encontrou Piqué na área, a defesa habilitou a posição do zagueiro e ele meteu para dentro.

Piqué e Busquets, outro veterano, são os que se salvaram na partida. No segundo tempo, entraram Coutinho e Ansu Fati, depois veio a campo Aguero. Mas nada disso mudou a dinâmica. O Barcelona trocou mais passes, ganhou um pouco em velocidade, mas seguiu sem criar chances de gol. No fim, o Dynamo se lançou à frente e o suspense foi criado, mas o time de Kiev tampouco tem qualidade para fazer qualquer coisa - até agora, zero gols em três jogos.

O Barça chega ao clássico de domingo com mais dúvidas do que o Real Madrid. Nenhum deles está voando, longe disso, mas o Barça parece ainda alguns degraus atrás na tentativa de encontrar um time e gerar bom jogo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL