PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gomes: Abel, Cuca e os dilemas táticos antes da semifinal da Libertadores

Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

21/09/2021 10h08

Palmeiras e Atlético entram em campo hoje, no Allianz Parque vazio, para a primeira semifinal da Copa Libertadores da América. As escalações prováveis estão por todos os lados, aqui no UOL Esporte e em outros portais de notícias. Mas é muito importante observar o que vai além dos nomes que serão colocados em campo. É a postura que ditará o ritmo do duelo.

Abel Ferreira, no Palmeiras, e Cuca, no Atlético, têm dilemas a serem resolvidos. Não é aquela semifinal de times prontos e na ponta da língua dos torcedores e analistas.

O Palmeiras não apostou em Hulk e Diego Costa quando teve a chance porque preferiu manter as fichas em Luiz Adriano. Mas Luiz Adriano não está retribuindo a confiança e tem só quatro gols em 24 jogos na temporada. Marcou contra a Chapecoense, no sábado, depois de um longo e tenebroso inverno, e logo acende-se a esperança verde. Será que ele será titular hoje?

Dudu, Raphael Veiga e Rony, o Mister Libertadores, estarão no time. A dúvida fica entre Luiz Adriano e Wesley - a presença deste faria, de novo, Rony atuar como uma espécie de falso 9. Todos sabem que Abel quer ter um camisa 9 de garantias, então a presença de Luiz Adriano não pode ser descartada.

Em relação ao time que venceu - bem - a eliminatória contra o São Paulo, o Palmeiras promoveu uma mudança que alterou completamente o jeito de jogar do time. A entrada de Piquerez no lugar de Renan mudou o eixo de construção do time, que passou do lado direito para o esquerdo. Deu muito errado no enorme jogo que o Palmeiras perdeu para um Flamengo todo remendado, pelo Brasileirão.

Deu errado porque Piquerez ainda não mostrou ser melhor do que Marcos Rocha no apoio, e Marcos Rocha, pelo outro lado, sofre demais nas tarefas defensivas.

O Atlético, todos sabem, tem um lado esquerdo muito forte, com Arana (se jogar). E aí? Abel vai manter o sistema, com Piquerez mais agudo pela esquerda (recebendo as devidas coberturas) e Marcos Rocha com o rojão lá do outro lado? Que tipo de ajuste será feito para que o ataque do Galo seja neutralizado onde ele mais gera problemas? Será que o meio de campo terá mesmo Danilo e Zé Rafael ou haverá um reforço defensivo por ali?

Abel costuma preparar surpresas quando foca completamente em um jogo, como fez para enfrentar o São Paulo e, agora, o Atlético. Deve ter analisado o Galo de trás para frente e de frente para trás, e hoje à noite saberemos a que conclusão chegou - e se o plano traçado dará certo.

Tem outro fator que não pode ser ignorado. O Palmeiras jogará a partida de ida com estádio vazio, enquanto o Atlético terá a vantagem do público na partida da volta. Isso faz com que, para o time de Abel, seja ainda mais importante fazer um resultado bom nesta noite.

Pela mesma razão, Cuca pode especular hoje e tentar "cozinhar" a partida de ida. E aí mora o dilema do lado atleticano, que certamente atormentou seu treinador na preparação para a partida.

Sete meses atrás, Cuca perdia uma final de Libertadores para Abel em que simplesmente optou por não colocar seu time para jogar como estava habituado a jogar. Cuca foi excessivamente cauteloso com o Santos e pagou o preço. Com um elenco como o do Atlético em mãos, muito melhor do que aquele Santos, e com a fase que o time vive, tem sentido ser cauteloso e contar com um jogo de volta em que terá torcida?

Para o torcedor do Galo, a resposta certamente é "não". Ele quer sangue, quer o time indo para cima. Mas e na cabeça de Cuca, o que está passando?

A dúvida sobre Arana é importantíssima, pois o lateral é o grande atacante do time pela esquerda. Sem ele, a dinâmica muda. O dilema de escalação é Vargas ou Diego Costa, depois do que o mais novo contratado mostrou nos jogos em que participou.

Sem Arana, a mobilidade de Vargas para dar profundidade pela esquerda torna-se mais importante. Até mesmo Keno poderia aparecer no time. Se Arana jogar, no entanto, tem sentido abrir mão da presença de Diego Costa? Com o momento que o Galo vive, há a possibilidade de ganhar do Palmeiras hoje e encaminhar a classificação.

Cuca abrirá mão disso, como fez na final do Maracanã? Este é o dilema do treinador atleticano. Menos de escalação e mais em relação à postura do time. Atacar e carregar adianta a grande fase ou ser mais cauteloso e contar com o barulho do Mineirão na semana que vem.

O jogo terá transmissão ao vivo da Conmebol TV e eu estarei nos comentários. A cobertura começa às 20h30, com o comando de Thomas Rafael. A narração será de Ivan Bruno, com Julio Gomes e Velloso na análise da partida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL