PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Flamengo minimiza, mas números evidenciam vantagem de jogar com torcida

Torcida do Flamengo no jogo contra o Barcelona-EQU, no Maracanã, em 2020 - Alexandre Vidal/Flamengo
Torcida do Flamengo no jogo contra o Barcelona-EQU, no Maracanã, em 2020 Imagem: Alexandre Vidal/Flamengo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

11/09/2021 04h00

Jogar com a torcida ao lado ganha jogo. Pelo menos é o que mostram os números levantados pelo blog, em meio a uma luta política que se transformou em uma espécie de "Flamengo contra todos os outros clubes" neste final de primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

O Flamengo tem uma liminar em mãos para voltar a ter sua torcida presente no Maracanã. Durante a semana, o vice jurídico do clube, Rodrigo Dunshee, minimizou a importância técnica da volta do público. "Eu reconheço que historicamente dizem que é melhor ter torcida a favor. Mas acho que isso é muito pequeno. Se há uma vantagem, é ínfima, uma coisa insignificante", declarou em entrevista à ESPN Brasil.

Mas esta vantagem não é tão ínfima assim.

Em 2021, com quase metade dos jogos já realizados (183 dos 380) - sempre com estádios vazios -, o Brasileirão vê, pela primeira vez na história dos pontos corridos, os mandantes com um aproveitamento abaixo de 50%.

Até agora, quem jogou em casa ganhou 68 partidas, empatou 60 e perdeu 55, com 48% de aproveitamento - contra 41% dos visitantes. Na história dos pontos corridos, nunca os times que jogaram fora de casa quebraram a barreira de 40% dos pontos ganhos. A vantagem de quem joga em casa ainda existe, mas ela é bastante menor do que a série histórica nos mostra (veja os números completos mais abaixo).

Na era dos pontos corridos e especialmente após a adoção do formato atual, com 20 times, o Brasileirão teve um aproveitamento dos mandantes flutuando entre 57% e 60%, enquanto os visitantes ganharam entre 30% e 33% dos pontos disputados. Houve anos em que os times da casa ganharam mais que o dobro de pontos do que os que jogaram fora.

Em 2020, com o campeonato inteiro disputado com portas fechadas, o aproveitamento dos mandantes já caiu consideravelmente, para 54%, enquanto o dos visitantes subiu para 36%. Os times que jogaram fora de casa ganharam 101 (das 380) partidas que disputaram. Só uma vez a casa de 100 vitórias dos visitantes havia sido superada, no ano de 2017 - que foi o único ano fora da curva nos pontos corridos, em que os aproveitamentos foram similares aos do último campeonato (53% dos mandantes e 38% dos visitantes).

O blog levantou também os aproveitamentos nas quatro ligas principais da Europa, comparando os números de 2018/2019, a última temporada com estádios cheios, com os e 2020/2021, a temporada passada, disputada inteira com estádios vazios.

Na Europa, a vantagem dos mandantes já era mesmo menor do que o que vemos no Brasil. Em 2019, o aproveitamento de pontos dos mandantes foi de 54% na Inglaterra e na Espanha, 53% na Itália e na Alemanha, enquanto o dos visitantes flutuou entre 36% e 40%.

Já em 2021, os mandantes ficaram com 51% dos pontos na Espanha e Alemanha e não chegaram nem a ganhar metade dos pontos em disputa na Itália. Mas onde a perda de mando de campo ficou mais evidente foi na Inglaterra. Na Premier League 20/21, aconteceu algo inimaginável se os estádios estivessem cheios: os visitantes ganharam mais pontos que os mandantes. Os clubes que jogaram em casa levaram 45% dos pontos, enquanto os que jogaram fora conquistaram 47,5%.

Que tipo de vantagem a torcida faz um time ter em campo?

Bem, aí é uma outra discussão, bem mais subjetiva. Alguns dirão que o público inflama e empurra os jogadores do time da casa, outros dirão que inibe os do time visitante, haverá quem diga que a principal influência recai sobre a arbitragem (que é a teoria preferida por este colunista).

Por que o aproveitamento de mandantes nas grandes ligas europeias era pior do que na brasileira, quando tínhamos público? As torcidas de lá empurram menos? Os jogadores sentem menos? Ou as arbitragens são menos influenciáveis? Eu acredito que a terceira opção seja a mais verossímil, mas possivelmente tenhamos uma mistura de tudo isso - e, repito, esta é uma discussão subjetiva.

Objetivos mesmo são os números. E, por mais que o diretor do Flamengo chame a vantagem de ter torcida no estádio de "insignificante" esportivamente, os números mostram que esta vantagem não era tão ínfima assim. Nunca os mandantes fizeram tão poucos pontos, nunca os visitantes ganharam tantos pontos como em 2021.

BRASILEIRO 2021 (183 jogos disputados até o momento):

68-60-55
mandantes: 264 pontos - 48% dos pontos
visitantes: 225 pontos - 41% dos pontos

BRASILEIRO 2020 (portões vazios):

171-108-101
mandantes: 54,5% dos pontos
visitantes: 36% dos pontos

BRASILEIRO 2019 (último com público):

184-98-98
mandantes: 57% dos pontos
visitantes: 34,4% dos pontos

BRASILEIRO 2018 (segundo melhor dos mandantes):

202-110-68
mandantes: 63% dos pontos
visitantes: 27,5% dos pontos

BRASILEIRO 2017 (o melhor dos visitantes com público):

167-103-110
mandantes: 53% dos pontos
visitantes: 38% dos pontos

BRASILEIRO 2016:

202-94-83
mandantes: 61,6% dos pontos
visitantes: 30,2% dos pontos

BRASILEIRO 2015:

200-91-89
mandantes: 60,6% dos pontos
visitantes: 31,4% dos pontos

BRASILEIRO 2014:

197-92-91
mandantes: 60%
visitantes: 32%

BRASILEIRO 2013:

184-108-88
mandantes: 57,9% dos pontos
visitantes: 32,6% dos pontos

BRASILEIRO 2012:

183-105-92
mandantes: 57,4% dos pontos
visitantes: 33,4% dos pontos

BRASILEIRO 2011:

184-105-91
mandantes: 57,6% dos pontos
visitantes: 33% dos pontos

BRASILEIRO 2010:

179-118-83
mandantes: 57,5% dos pontos
visitantes: 32,2% dos pontos

BRASILEIRO 2009:

195-102-83
mandantes: 60,3% dos pontos
visitantes: 30,8% dos pontos

BRASILEIRO 2008 (o melhor para os mandantes):

208-96-76
mandantes: 63% dos pontos
visitantes: 28,4% dos pontos

BRASILEIRO 2007:

192-90-98
mandantes: 58,4% dos pontos
visitantes: 33,7% dos pontos

BRASILEIRO 2006:

190-97-93
mandantes: 58,5% dos pontos
visitantes: 33% dos pontos

INGLATERRA

temp. 18/19: 181-71-128 - mandantes 54% x 40% visitantes
temp. 20/21: 144-83-153 - mandantes 45,2% x 47,5% visitantes

ESPANHA

temp. 18/19 168-110-102 mandantes 54% x 36,5% visitantes
temp. 20/21 158-109-113 mandantes 51,1% x 39,3% visitantes

ITÁLIA

temp. 18/19 166-108-106 mandantes 53,2% x 37,4% visitantes
temp. 20/21 156-96-128 mandantes 49,5% x 42,1% visitantes

ALEMANHA

temp. 18/19 138-73-95 mandantes 53% x 39% visitantes
temp. 20/21 129-81-96 mandantes 51% x 40,2% visitantes