PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Corinthians e Santos fizeram o mínimo: honraram camisas e história

Jogadores do Corinthians comemoram gol de Fábio Santos, diante do Novorizontino  - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Jogadores do Corinthians comemoram gol de Fábio Santos, diante do Novorizontino Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

09/05/2021 17h57

Eu sei que o torcedor do Corinthians preferia ver o time perder para o Novorizontino neste domingo, o que significaria a eliminação do Palmeiras ainda na primeira fase do Campeonato Paulista. Mas não é possível esperar que profissionais do futebol atuem em função de caprichos.

E, o principal, não é possível sujar histórias só por causa de uma alegria efêmera, uma gozação. O Corinthians é o Corinthians porque sempre jogou para ganhar, não para perder. E jogadores que fazem este tipo de lambança mancham suas biografias. Não era plausível esperar que o Corinthians entregasse o jogo.

Sim, que jogadores fossem poupados era natural. Até porque o Corinthians tem uma maratona agora com quartas de final do Paulista e partida decisiva no Uruguai pela Sul-Americana. Mas poupar não é entregar. É pensar nos próprios interesses. Até porque poupar significa dar chances a jovens como Mandaca, autor do gol da vitória por 2 a 1.

O Novorizontino não foi eliminado do Paulistão hoje, em Itaquera. Foi eliminado porque não ganhou nenhum de seus últimos quatro jogos, quando o Palmeiras já estava contra as cordas e havia jogado a toalha no campeonato.

O Palmeiras pode ganhar do Bragantino e eventualmente eliminar o Corinthians na semifinal? Pode. Cabe ao Corinthians evitar que a história seja escrita desta forma. Hoje, o que os jogadores precisavam era honrar o passado do clube.

Que foi o que fizeram também os jogadores do Santos, saindo do buraco em que eles mesmo se meteram. A molecada não deixou a partida contra o São Bento virar dramática. Apesar de não ter sido um primeiro tempo brilhante do Santos, os gols de Lucas Braga e Kayo Jorge mataram a parada. O segundo tempo foi apenas protocolar.

Se o Santos perdesse, seria rebaixado pela primeira vez em sua magnífica história. Não perdeu. Fica fora do mata-mata do Paulista, mas pelo menos não cai. Com o trabalho de Fernando Diniz começando amanhã e situação difícil na Libertadores, é até bom para o Santos ganhar uma folga no calendário para colocar a casa em ordem.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL