PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Diniz é o nome perfeito para desenvolver jogadores no Santos

Fernando Diniz, ainda como treinador do São Paulo - Rubens Chiri/ saopaulofc.net
Fernando Diniz, ainda como treinador do São Paulo Imagem: Rubens Chiri/ saopaulofc.net
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

07/05/2021 10h45

Respondam rápido: o Santos entra em alguma competição para ser campeão neste ano? A resposta é simples: não.

O Santos precisa se preocupar em não passar pelo maior vexame de sua maravilhosa história e não acabar rebaixado no Paulistão - o que acontecerá, caso perca domingo para o São Bento. E, depois disso, se preocupar em não ser rebaixado no Brasileiro. Fazer boas campanhas na Libertadores e na Copa do Brasil pode ajudar as finanças do clube, mas não é plausível contar com título.

Milagres acontecem. Considero que o Santos ter chegado à final da última Libertadores já foi uma espécie de milagre. O mata-mata permite isso e a camisa é pesada (para os adversários) e leve (para a molecada que a veste) ao mesmo tempo. Mas não dá para ficar contando com milagres.

O que o Santos precisa? Encontrar seu caminho de sobrevivência em um futebol cada vez mais com dinheiro concentrado nas mãos de poucos. Ele já sabe o seu DNA: formar jogadores. Agora precisa encontrar o equilíbrio econômico - formação, utilização esportiva para gerar vitórias, títulos e exposição, seguir agregando torcedores, atingir o público jovem e, claro, vender jogadores.

Uma coisa é vender jogadores estando na pindaíba e precisar se livrar deles por qualquer merreca. Outra coisa é ter as finanças equilibradas e conseguir segurar jogadores até que o melhor negócio apareça - e, neste meio tempo, contar com o talento. De preferência, sem rolos em que sobra dinheiro para todo mundo - menos para o clube -, como foi no caso Neymar.

Neste cenário, a escolha de Fernando Diniz para ser o novo técnico do Santos é muito boa.

Diniz mostra evolução na carreira, fez um trabalho muito bom no São Paulo, que não acabou em título por causa de uma tempestade imperfeita. Ele teve sua parcela de culpa, sem dúvida. Mas quem imaginava que o São Paulo ficaria tão perto do título brasileiro? Nisso, ele também tem culpa.

Invariavelmente, as passagens de Diniz são sucedidas por ótimos trabalhos. Isso acontece porque ele melhora jogadores, amplia o escopo dos atletas e faz com que eles sejam profissionais mais confiantes e capacitados. Quem vem depois, sempre se beneficia, se tiver qualidade para isso.

Diniz é um cara que vai pegar essa garotada muito boa de bola do Santos e fazê-la crescer antes do tempo - que é o que o clube precisa. Ele consegue navegar bem entre dificuldades e precisando utilizar a base, que é exatamente o cenário atual do Santos.

Vai ser campeão de alguma coisa? Eu acho que não. Até porque o estilo de jogo de Diniz é muito melhor para campeonatos longos e pior para torneios eliminatórios - assim como o estilo de Cuca, por exemplo, ou de quem gosta de um jogo mais simples, baseado em contra-ataques, funciona melhor para mata-mata e pior para longo prazo e para desenvolvimento de atletas.

Mas quem o Santos contrataria com a esperança de "ser campeão de alguma coisa"? Ninguém. Talvez o discurso externo seja outro, mas a realidade é muito mais poderosa do que discursos. Para qualquer negócio, pensar no longo prazo é muito mais importante no que no curto.

O que o Santos precisa é encontrar algumas boas oportunidades de mercado, aproveitar o fim dos estaduais para reforçar o elenco com jogadores baratos e que atendam a necessidade imediata. E, simultaneamente, trabalhar atletas jovens. Para isso, Diniz é perfeito. Haverá solavancos, sem dúvida. Mas, se a diretoria tiver coragem para aguentá-los, o Santos colherá frutos muito interessantes lá na frente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL