PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Grande Supercopa mantém dúvida no ar: quem é melhor, Flamengo ou Palmeiras?

Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

11/04/2021 13h28

A Supercopa do Brasil não tem essa importância toda que será dada. Mas reuniu os dois melhores times do país, todo mundo queria um tira-teima e ele veio. Apesar de ser início de temporada, faltar ritmo, estar um solzão em Brasília, foi um grande jogo de futebol entre Flamengo e Palmeiras. À altura do que se esperava.

No fim, o empate por 2 a 2 foi uma bela tradução do que aconteceu em campo. Um jogo intenso, com chances de gols para os dois lados e com pontos fortes e fracos dos dois bem expostos. Não, não conseguimos saber quem é melhor.

A vitória do Flamengo nos pênaltis fica apenas para a história e para os torcedores gozarem um do outro. Logicamente, não mostra quem foi melhor.

Ao Flamengo, sobra talento ofensivo, mas talvez faltem algumas alternativas táticas para a fase defensiva do jogo. Quando acuado, o Flamengo costuma abrir o bico. A alternativa com Arão na zaga e Diego no meio me parece boa para jogos "de um time só", nem tanto para partidas mais duras. No segundo tempo, o Flamengo nunca soube encontrar uma resposta para a pressão palmeirense.

O Palmeiras, do outro lado, tem variáveis táticas, se molda bem ao adversário da vez e tem muita aplicação. Mas há alguns pontos fracos claros, como Marcos Rocha e Luan, que comprometeram, comprometem e seguirão comprometendo. É preciso ver se Raphael Veiga, um jogador que alterna muito de nível ao longo da temporada, manterá a sequência. Ele foi o melhor em campo neste domingo.

O jogo começa com um gol do Palmeiras, já uma demonstração do belo duelo que viria. Diego Alves tenta sair jogando com um lançamento, Felipe Melo intercepta, Raphael Veiga recebe e dá uma linda meia lua em Arão, tocando de calcanhar e pegando na frente. Depois, foi só concluir. Um golaço.

A pressão exercida pelo Palmeiras deu certo durante boa parte do primeiro tempo, mas gerou algumas faltas duras, que Vuaden corretamente puniu com amarelos (para Melo e Wesley).

O problema é confundir tensão com pilha. Competir não necessariamente é sinônimo de histeria. E o banco do Palmeiras estava histérico demais. O que é uma característica marcante do futebol brasileiro e pelo jeito já contagiou a turma portuguesa do Palmeiras.

Quando Vuaden não mostrou um amarelo para Diego (para mim, a única falha do árbitro no primeiro tempo), o banco explodiu de vez. Abel acabou expulso e prejudicou o próprio time.

Enquanto isso, o Flamengo jogava. Os meias e atacantes começaram a se movimentar mais e criar problemas para a defesa palmeirense. Numa tentativa de afastar, Luan deu a bola nos pés de Arrascaeta, que deu um tapa maravilhoso para Filipe Luís. O lateral invadiu a área, passou por Gómez e acertou a trave, mas Gabigol estava pronto para empatar no rebote.

No finalzinho do primeiro tempo, novamente Arrascaeta brilhou. Recebeu pela esquerda, trouxe para o meio e chutou firme para virar o jogo. Marcos Rocha assistiu a tudo passivamente e ainda teve a pachorra de reclamar com os companheiros.

Luan e Marcos Rocha são os pontos fracos do time do Palmeiras e isso ficou ainda mais exposto neste domingo, em Brasília.

No segundo tempo, o Flamengo ficou muito passivo diante de um Palmeiras que foi buscar o empate. As mudanças feitas no intervalo e ao longo do segundo tempo mostram que talvez o Palmeiras tenha mesmo um elenco mais robusto que o do Flamengo.

O time do Flamengo é claramente mais talentoso. Mas o Palmeiras consegue equilibrar o 11 contra 11 na tática. E aí tem um elenco com mais opções. Foi o que vimos hoje.

As entradas de Menino, Danilo e Verón melhoraram o time. Mayke não é nenhum gênio, mas Marcos Rocha não podia continuar em campo mesmo.

O Palmeiras criou várias chances no segundo tempo, até que veio o pênalti infantil de Rodrigo Caio em Rony. Até acho que o puxão de camisa não foi suficiente para derrubar o jogador do Palmeiras, mas o lance é descarado, fica difícil para o árbitro "interpretar" força quando uma camisa é puxada. Raphael Veiga empatou.

Depois, ficou para os pênaltis. Mas a dúvida continua: quem é melhor? Não sabemos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL