PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Dembélé salva um Barcelona que mostra outro espírito

Messi e Dembélé comemoram o gol do Barcelona contra o Valladolid - ALBERT GEA/REUTERS
Messi e Dembélé comemoram o gol do Barcelona contra o Valladolid Imagem: ALBERT GEA/REUTERS
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

05/04/2021 18h00

O Valladolid chegou ao Camp Nou cheio de desfaques por Covid, com apenas uma vitória nos últimos 11 jogos, o segundo time acima da zona de rebaixamento. Resumindo: presa fácil para um Barcelona que começou a voar na segunda metade da temporada. Certo? Errado.

O Valladolid fez um jogo quase heroico no Camp Nou, perdeu um jogador expulso de forma polêmica, teve até uma ou outra chance de fazer seu gol (acertou o travessão no primeiro tempo). Mas não resistiu. Aos 45min do segundo tempo, Dembélé conseguiu o gol salvador, que faz o Barcelona aproveitar o tropeço do líder Atlético de Madrid na rodada.

Agora, o Atlético tem apenas um ponto de vantagem para o Barça (66 a 65). O Real Madrid tem 63 e está vivo na disputa. No sábado que vem, o Real recebe o Barça no superclássico do segundo tempo.

Mais do que a vitória, o Barcelona tem que comemorar o espírito de luta, que nada tem a ver com o que o clube mostrou na primeira parte da temporada. Em 2020, era o Barça do 8 a 2, de um Messi que queria se mandar, um Barça deprimido, desmotivado e sem vontade.

Hoje, no encardido jogo contra o Valladolid, o time nunca parou de buscar a vitória. Martelou, martelou, martelou, até que conseguiu. Taticamente, o novo sistema (de três zagueiros) não funcionou tão bem. Faltou precisão e os erros de passes se amontoaram. Mas a vontade prevaleceu.

Agora são 16 vitórias e 3 empates nos últimos 19 jogos - ou seja, o Barça completa um turno de invencibilidade. A última derrota pela Liga foi em 5 de dezembro, já há quatro meses. Neste momento, o time de Messi parece ser o candidato mais forte para conquistar o título. Mas, logicamente, a dupla de Madri tentará escrever outra história.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL