PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Itália e Inglaterra mostram consistência; eliminatórias têm seis com 100%

Harry Kane converte pênalti em Inglaterra x Polônia, jogo das Eliminatórias Europeias - Michael Steele - The FA/The FA via Getty Images
Harry Kane converte pênalti em Inglaterra x Polônia, jogo das Eliminatórias Europeias Imagem: Michael Steele - The FA/The FA via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

31/03/2021 18h26

Depois das três rodadas iniciais das eliminatórias europeias para a Copa de 2022, somente seis seleções tiveram 100% de aproveitamento. Itália, Inglaterra, Dinamarca e a surpreendente Armênia ganharam os três jogos que fizeram, enquanto Suíça e Suécia venceram dois.

A Itália ganhou nesta quarta da Lituânia por 2 a 0 (havia vencido Irlanda do Norte e Bulgária pelo mesmo placar), gols de Sensi e Immobile. Agora, entre competições e amistosos, são 20 vitórias e 5 empates desde setembro de 2018, quando a Itália perdeu pela última vez e começava a caminhada depois do vexame de ficar fora da Copa da Rússia. A renovada seleção de Mancini definitivamente encorpou.

A Inglaterra ganhou uma "final" contra a Polônia por 2 a 1, com um gol de Maguire no finalzinho. Considerando que a Polônia não tinha Lewandowski e que o grupo se resume a estas duas forças, era imperativo para a Inglaterra vencer hoje, para não ter que depender do jogo que elas farão no segundo semestre - e que, vai saber, pode até ter torcida na Polônia, além de Lewa. Os ingleses fizeram um jogo sólido, dominaram o tempo todo e deveriam ter vencido sem sufoco, principalmente pelo primeiro tempo.

Itália e Inglaterra acabaram mostrando mais consistência nesta semana de jogos do que as outras favoritas para a Eurocopa, que será disputada no meio do ano.

França e Bélgica mostraram aquela "preguiça" de seleções prontas. A França tropeçou na Ucrânia e depois ganhou jogando para o gasto de Cazaquistão e Bósnia (1 a 0 hoje, gol de Griezmann, depois de Lloris ter feito um milagre no primeiro tempo) - os ucranianos empataram as duas após o resultado de Paris, então não ameaçarão o primeiro lugar do grupo. A Bélgica deu uma tropeçadinha na República Tcheca que, por sua vez, perdeu de Gales - também tudo tranquilo.

Portugal, outra das favoritas, poderia ter vencido as três, se não tivesse o gol de Cristiano Ronaldo invalidado na Sérvia. Mas mostrou um futebol pobre, sem grande inspiração.

As decepções mesmo foram Espanha e Alemanha, que mostram muito menos consistência do que as outras citadas acima. Eu diria até que seria uma grande surpresa se uma delas acabar com o título europeu no meio do ano.

A Espanha ganhou hoje de Kosovo por 3 a 1. Sem goleada. Antes, havia jogado mal no empate contra a Grécia e na vitória "in extremis" sobre a Geórgia, com gol já nos acréscimos. É uma seleção jovem e talentosa. Mas não parece nada pronta para a Euro. A Copa está um pouquinho mais longe.

E a Alemanha, que terá na Euro a despedida do técnico Joachim Low, conseguiu um feito histórico nesta quarta: perdeu em Duisburg para a Macedônia do Norte. Nos jogos anteriores, havia vencido a Islândia e a Romênia, sem sobras. Lembrando que esta é uma seleção que vem de levar de 6 da Espanha no fim do ano passado. Apesar de apostar na base entrosada do Bayern de Munique, Low não está conseguindo fazer a Alemanha jogar.

A surpreendente Macedônia do Norte estará em sua primeira Euro no meio do ano e é capitaneada pelo veterano Pandev, de 37 anos, aquele mesmo que jogava na Inter de Mourinho. Foi ele quem fez o primeiro gol hoje. A Alemanha empatou com Gundogan, de pênalti. Mas o jovem Elmas, revelação do Napoli, marcou o gol da vitória aos 40min do segundo tempo.

O grupo J, que parecia muito fraco, está embolado. A líder é a Armênia, que ganhou as três e tem nove pontos. Alemanha e Macedônia do Norte têm seis, Romênia e Islândia têm três - estas duas eram, em teoria, as favoritas para a segunda posição no grupo e a vaga na repescagem.

A Armênia fez 3 a 2 sobre a Romênia hoje, marcando dois gols nos últimos minutos. Treinada pelo espanhol Joaquim Caparrós, é a melhor história destas rodadas iniciais das eliminatórias.

Outra seleção que mostrou serviço e ganhou confiança para a Euro foi a Dinamarca, que hoje meteu contundentes 4 a 0 na Áustria, em Viena. Com 100% de aproveitamento, a Dinamarca deixou bem encaminhada a primeira posição no grupo e a vaga direta para 2022 - na Copa da Rússia, a Dinamarca parou nas oitavas de final, perdendo nos pênaltis para a Croácia (que chegaria até a final). É uma boa seleção e também pode ser uma surpresa na Euro que se aproxima.

CLIQUE AQUI PARA VER A TABELA COMPLETA, COM RESULTADOS E CLASSIFICAÇÃO DOS GRUPOS DAS ELIMINATÓRIAS EUROPEIAS.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL