PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Ranking da Década de 80: Quando o Flamengo rompe a fronteira regional

Adílio comemora gol do Flamengo contra o Liverpool, no Mundial de Clubes de 1981 - Peter Robinson - PA Images via Getty Images
Adílio comemora gol do Flamengo contra o Liverpool, no Mundial de Clubes de 1981 Imagem: Peter Robinson - PA Images via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

24/03/2021 04h00

Chegamos aos anos 80! Depois do título do Cruzeiro da Libertadores e do tri brasileiro do Inter, ficou "provado" que o futebol brasileiro não era só forte, mas ganhador fora do eixo Rio-São Paulo. A década de 80 marcou a consolidação da expansão internacional, com títulos enormes de Flamengo e Grêmio.

O Flamengo, que tinha no "curriculum" somente um título que não fosse estadual (o Rio-SP de 1961), extrapolou as fronteiras a partir de 1980. Em um período de três anos, a "era Zico" deu ao clube três Brasileiros, uma Libertadores e uma Intercontinental, em cima do Liverpool. O campeonato de 80, diga-se, vai aparecer na década anterior. Foram oito finais cariocas, mas com apenas dois títulos.

Com futebol de alto nível e times com grandes craques da nossa história, a década foi marcada por duas tristes derrotas da seleção brasileira, nas Copas de 82 e 86. Mas nos campeonatos disputados entre 81 e 90 estava sendo concebido o tetra, que viria anos depois, em 1994. Lá estavam Taffarel, Jorginho, Aldair, Branco, Dunga, Mauro Silva, Mazinho, Zinho, Bebeto e Romário, entre outros tantos.

Na década de 80, o Flamengo, berço de vários destes caras, ainda conquistou a Copa União. Este autor, assim como a CBF, considera que em 1987 o Brasil teve dois campeões - de dois campeonatos diferentes, enfim. A Copa União era, de fato, o campeonato com os melhores times do país - a elite se reuniu para criar uma "Liga", o Clube dos 13, mas cometeu graves injustiças técnicas. O "Módulo Amarelo", vencido pelo Sport, não pode ser considerado a "segunda divisão". Tanto que na final estava o Guarani, que era o vice-campeão brasileiro de 1986 e que seria vice-campeão paulista em 1988.

Aquele Sport era muito bom time e chegaria à final da recém-criada Copa do Brasil, em 1989. O Sport pode se autoproclamar único campeão de 87, baseado na decisão do STF. Está amparado pelo direito. Mas quem estava vivo naquela época sabe que o Flamengo, de Zico, foi, no mínimo, um "outro" campeão brasileiro. Aqui, valem os dois.

Depois de "sofrer" com o sucesso do Inter nos anos 70, o Grêmio conseguiu seu primeiro título brasileiro e foi o primeiro gaúcho campeão da América e mundial, nos pés de Renato. Chegou a cinco semifinais nacionais na década e fica atrás do Flamengo no ranking por pouco. Dois confrontos diretos entre eles foram marcantes: a final de 82, vencida pelo Flamengo; e duelos pela Libertadores de 84, quando o Grêmio avançou, mas ficaria sem o bi continental.

O São Paulo, que seria campeão de quase tudo nas duas décadas seguintes, dominou no Estado, com quatro títulos, e foi o clube com mais presenças em finais do Brasileiro (quatro, ganhando uma). Cilinho mostrou ao país "os Menudos do Morumbi", e o time de Careca, Muller e Silas encantou o Brasil.

Depois de quebrar o jejum, em 77, o Corinthians ganhou mais Paulistas e mostrou ao Brasil um time de futebol engajado na luta contra o regime militar - era a "Democracia Corintiana", de Sócrates, Casagrande, Wladimir e companhia. O Palmeiras, por outro lado, "desapareceu" na década de 80, amargando anos de jejum e permitindo à Inter de Limeira, em 1986, transformar-se no primeiro clube do interior a ser campeão paulista. O Bragantino, de Luxemburgo, repetiria o feito em 90.

Paulistas à parte, a década de 80 teve um futebol do Rio muito forte. Além do Flamengo, Vasco e Fluminense ganharam Brasileiros. O Flu teve a "Máquina Tricolor", tricampeã carioca em 83, 84 e 85. O Vasco, de Roberto Dinamite e outros craques, revelou um certo Romário. O Botafogo quebrou o jejum de 21 anos sem títulos, conquistando o bi carioca em 89 e 90 - o primeiro foi o do gol histórico de Maurício.

O Bangu, sob o mecenato do bicheiro Castor de Andrade, chegou à final do Brasileiro e do Carioca em 1985 - este segundo, perdeu com arbitragem para lá de contestada de José Roberto Wright. Até o América do Rio viveu seus últimos momentos de glórias, chegando a uma semifinal nacional em 86 e ganhando o Torneio dos Campeões, uma competição realizada durante a Copa de 82.

Apesar da "expansão" gremista, o Inter seguiu forte no Sul, com quatro títulos gaúchos, duas finais de Brasileiro e uma semifinal de Libertadores (em 89).

E o Atlético Mineiro, de Reinaldo, Éder e Cerezo, foi fortíssimo durante a década inteira, ganhando sete Mineiros e chegando a quatro semifinais de Brasileiro - bateu na trave em todas. Ficou entalada na garganta dos atleticanos a Libertadores de 81, vencida pelo Flamengo, e a arbitragem de Wright no jogo entre eles.

A década de 80 foi também a década dos títulos do Coritiba e do Bahia, quebrando o domínio do eixo SP-RJ-RS-MG. O Bahia, de Bobô, ainda mandou completamente dentro de seu Estado e foi semifinalista do Brasileiro de 90.

O ranking abaixo considera também as convocações de jogadores dos clubes listados para as Copas de 1982, 1986 e 1990, um elemento importantíssimo na medição de forças da época. O Brasileiro ocupava só três meses do calendário até 1985, quando começar a ser jogado durante um semestre inteiro. Em itálico, os eventos de importância menor. No fim da lista, menções importantes de feitos estaduais - lembrando que o futebol brasileiro ainda era majoritariamente estadual nos anos 80.

RANKING DA DÉCADA DE 80:

#1 Flamengo
1 - Intercontinental (1981)
1 - Copa Libertadores (1981)
3 - Campeonatos Brasileiros (1982, 1983 e 1987)
2 - Cariocas (81 e 86)
1 - Copa do Brasil (1990)
*convocações para Copas - 7

#2 Grêmio
1 - Intercontinental (1983)
1 - Copa Libertadores (1983)
1 - Campeonato Brasileiro (1981)
6 - Gaúchos (85, 86, 87, 88, 89 e 90)
1 - Copa do Brasil (1989)
1 - Vice Brasileiro (1982)

*convocações para Copas - 3

#3 São Paulo
1 - Campeonato Brasileiro (1986)
4 - Paulistas (81, 85, 87 e 89)
3 - Vices Brasileiros (81, 89 e 90)
*convocações para Copas - 10

#4 Vasco
1 - Campeonato Brasileiro (1989)
3 - Cariocas (82, 87 e 88)
1 - Vice Brasileiro (84)
*convocações para Copas - 7

#5 Fluminense
1 - Campeonato Brasileiro (1984)
3 - Cariocas (83, 84 e 85)
*convocações para Copas - 3

#6 Corinthians
1 - Campeonato Brasileiro (1990)
3 - Paulistas (82, 83 e 88)
*convocações para Copas - 4

#7 Bahia
1 - Campeonato Brasileiro (1988)
7 - Baianos (81, 82, 83, 84, 86, 87 e 88)
*convocações para Copas - 0

#8 Internacional
4 - Gaúchos (81, 82, 83 e 84)
2 - Vices Brasileiros (87 e 88)
*convocações para Copas - 3

#9 Atlético-MG
7 - Mineiros (81, 82, 83, 85, 86, 88 e 89)
*convocações para Copas - 5

#10 Coritiba
1 - Campeonato Brasileiro (1985)
2 - Paranaenses (86 e 89)
*convocações para Copas - 0

#11 Sport
1 - Campeonato Brasileiro (1987)
3 - Pernambucanos (81, 82 e 88)
1 - Série B (90)
*convocações para Copas - 0

#12 Botafogo
2 - Cariocas (89 e 90)
*convocações para Copas - 4

#13 Santos
1 - Paulista (84)
1 - Vice Brasileiro (83)
*convocações para Copas - 0

#14 Guarani
2 - Vices Brasileiros (86 e 87)
*convocações para Copas - 1

#15 Bangu
1 - Vice Brasileiro (85)
*convocações para Copas - 0

Menções estaduais:

Inter de Limeira
1 - Paulista (86)
1 - Série B (88)
*convocações para Copas - 0

Bragantino
1 - Paulista (90)
1 - Série B (89)
*convocações para Copas - 0

América-RJ
1 - Torneio dos Campeões (82)
*convocações para Copas - 0

Athletico-PR
5 - Paranaenses (82, 83, 85, 88 e 90)
*convocações para Copas - 0

Cruzeiro
3 - Mineiros (84, 87 e 90)
*convocações para Copas - 0

Joinville
6 - Catarinenses (81, 82, 83, 84, 85 e 87)
*convocações para Copas - 0

CSA
6 - Alagoanos (81, 82, 84, 85, 88 e 90)
*convocações para Copas - 0

Goiás
6 - Goianienses (81, 83, 86, 87, 89 e 90)
*convocações para Copas - 0

Santa Cruz
4 - Pernambucanos (83, 86, 87 e 90)
*convocações para Copas - 0

Palmeiras
*convocações para Copas - 1

*****

CLIQUE ABAIXO PARA VER O RANKING DE CADA DÉCADA DO FUTEBOL BRASILEIRO:

DÉCADA DE 40
'Expresso da Vitória' do Vasco e São Paulo de Leônidas marcaram época

DÉCADA DE 50
Grandes pulverizam títulos e futebol do Brasil começa a ganhar o mundo

DÉCADA DE 60
Santos foi o maior quando éramos os maiores

DÉCADA DE 70
Inter domina início da "era nacional" do futebol

DÉCADA DE 80
Flamengo rompe fronteiras e ganha o mundo

DÉCADA DE 90
São Paulo supera concorrência em década 'paulista'

DÉCADA DE 00 (ANOS 2000)
Inter brilha na Libertadores e supera o São Paulo, tri brasileiro

DÉCADA DE 10
Corinthians campeão do mundo; brasileiros dominam Libertadores

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL