PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ninguém mereceu ganhar o Brasileirão do VAR

Rogério Ceni reclama com a arbitragem durante São Paulo x Flamengo - REUTERS/Amanda Perobelli
Rogério Ceni reclama com a arbitragem durante São Paulo x Flamengo Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

25/02/2021 23h42

O Flamengo é campeão, é o melhor time do Brasil. Deveria ter vencido com sobras. Não foi assim porque errou muito. Mas não tanto quanto os outros. E ganhou nove pontos nos instantes finais de diversas partidas, gols que se provaram decisivos.

Mas o Flamengo mereceu ganhar? Não. O Inter também não. Nem o Atlético. E nem o São Paulo. Que foi o time que melhor jogou por mais tempo, mas derreteu de forma inacreditável em janeiro.

As coisas deram tão errado para o São Paulo que o time fez a parte dele, venceu o Flamengo pela quarta vez na temporada só para evitar a festa em sua casa. Mas não evitou.

Foi o campeonato do VAR. Das arbitragens pífias, das intervenções exageradas, da falta de critério. Não à toa, o último lance do campeonato inteiro foi definido no impedimento de Edenílson no gol que daria o título ao Inter. O bandeira acertou e lá estava o VAR, com toda a tensão em torno da decisão.

O campeonato foi ruim. Futebol horroroso, estádios vazios, arbitragens lamentáveis, atitude desprezível da enorme maioria de técnicos e jogadores. Aliás, um campeonato que nem deveria ter sido realizado, em um país com mais de 1000 mortos por dia e que simplesmente convive com isso como se não estivesse acontecendo nada.

Ninguém quis ganhar e ninguém fez por merecer com outros campeões. Caiu no colo de quem tinha mais bons jogadores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL