PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Eliminatórias europeias da Copa-2022: sorteio bom para Alemanha e Portugal

Cristiano Ronaldo durante partida de Portugal contra a Espanha na Copa da Rússia, em 2018 - Raddad Jebarah/NurPhoto via Getty Images
Cristiano Ronaldo durante partida de Portugal contra a Espanha na Copa da Rússia, em 2018 Imagem: Raddad Jebarah/NurPhoto via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

07/12/2020 18h27

A Uefa realizou nesta segunda o sorteio que definiu os grupos das eliminatórias europeias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. São dez grupos, portanto não haveria como duas seleções das mais tradicionais estarem juntas. Mas, olhando para o cenário atual de seleções da Europa, dá para dizer que Alemanha e Portugal pegaram grupos suaves, enquanto Inglaterra e Itália têm alguma margem para problemas.

Portugal já deu sorte de cara ao ser a cabeça de chave sorteada para um grupo de cinco seleções - as outras já eram sabidas: Itália, Espanha, França e Bélgica, por serem participantes das finais da Liga das Nações, em outubro do ano que vem.

São cinco grupos de cinco e cinco grupos de seis seleções. O campeão de cada grupo vai para a Copa, e os segundos colocados mais duas seleções campeãs de grupos da Liga das Nações irão disputar uma repescagem que classificará mais três país - a ser disputada em março de 2022.

Jogar em um grupo de cinco, portanto, significa menos partidas e menos viagens. Portugal está em uma chave com Sérvia, Irlanda, Luxemburgo e Azerbaijão. Do pote 2, a Sérvia era uma das melhores seleções para se ter como rival. Acaba de ser eliminada da Euro-2020 pela Escócia, o que eclodiu uma crise entre jogadores veteranos, comissão técnica e imprensa. É verdade que tem alguns nomes mais conhecidos dos clubes europeus, mas é uma seleção que vive em desunião.

A Irlanda tem aquele futebol já conhecido, de muita força física, entrega e pouco talento. Acaba de fazer uma campanha pífia na Nations League e também ficou fora da Euro. Luxemburgo era a pior seleção rankeada do pote 4, e o Azerbaijão só incomoda porque fica longe.

No ano passado, jogando as eliminatórias da Euro, Portugal fez 3 a 0 e 2 a 0 em Luxemburgo, empatou por 1 a 1 com a Sérvia em Lisboa, mas depois venceu por 4 a 2 em Belgrado. Com a nova geração que tem em mãos, Portugal deve se classificar sem grandes problemas para sua sexta Copa do Mundo seguida - no século passado, jogara apenas os Mundiais de 66 e 86.

A Alemanha, por sua vez, vive uma transição que parece eterna desde o tetra, no Maracanã. De lá em diante, os alemães fizeram uma semi de Eurocopa, um Mundial da Rússia pífio e duas Ligas das Nações ruins, culminando na humilhante derrota por 6 a 0 diante da Espanha, no mês passado. A resposta dos dirigentes alemães? Segue o jogo...

"Há a firme convicção de que Joachim Löw e sua comissão técnica entregarão resultados de sucesso, apesar dos desafios a enfrentar. O treinador tomará todas as medidas necessárias para que a Alemanha tenha uma excelente Euro em 2021", declarou a Federação.

O caminho rumo ao Mundial não será dos mais complicados. Caíram no grupo J, com a Alemanha, Romênia, Islândia, Macedônia do Norte, Armênia e Liechtenstein. A Romênia era a pior seleção rankeada do pote 2, e o conto de fadas islandês já parece ter acabado. É provável que a Alemanha ganhe os dez jogos deste grupo.

CASCAS DE BANANA?

Se Portugal e Alemanha não podem reclamar, Inglaterra e Itália enfrentam grupos um pouco mais perigosos. A Inglaterra tem no grupo I, ao lado dela, Polônia, Hungria, Albânia, Andorra e San Marino. Possivelmente primeiro e segundo lugar serão decididos nos dois confrontos diretos entre ingleses e poloneses - a seleção de Lewandowski era uma das mais indesejadas do pote 2.

A outra, inclusive de melhor ranking no pote 2, era a Suíça, que caiu no grupo C, com Itália, Irlanda do Norte, Bulgária e Lituânia. É um grupo tranquilo, então provavelmente tudo será decidido em confrontos diretos entre italianos e suíços. A nova geração italiana tem dado a resposta após a ausência da Copa de 2018 e a Suíça caiu um pouquinho de produção desde o mesmo Mundial, mas confrontos diretos são sempre perigosos.

As seleções "médias" que estavam no pote 1, das cabeças de chave, terão previsivelmente desafios importantes: Holanda, Dinamarca e Croácia.

A Holanda, que ficou fora da Euro-16 e da Copa-18, tem um grupo com Turquia, Noruega, Montenegro, Letônia e Gibraltar. A Turquia se classificou para a próxima Euro fazendo boa campanha, a a Noruega é uma seleção em ascensão, capitaneada pelo fenômeno Haaland.

A Croácia, vice-campeã do mundo, pegou a seleção que ninguém queria do pote 3: a Rússia. Elas se enfrentaram nas quartas de final da Copa, com os croatas passando nos pênaltis. Também veio a mais chatinha do pote 4, a Eslovênia. Em compensação, foi sorteada uma das mais fracas do pote 2, a Eslováquia - que, no entanto, acaba de se classificar para a Eurocopa. É um grupo em que realmente qualquer coisa pode acontecer.

E a Dinamarca foi sorteada para um grupo com Áustria, Escócia, Israel, Ilhas Faroe e Moldova. A Áustria, de Alaba, se classificou para a Euro e subiu para a elite na Nations League - o que dá a ela a certeza da repescagem, então pode ir "all in" pela primeira posição do grupo. E a Escócia também vem com a empolgação de ter se classificado para a Euro. Israel raramente chega aos playoffs, mas muitas vezes tira pontinhos pelo caminho.

CAMINHOS MAIS TRANQUILOS

Faltou falar de outras três cabeças de chave que têm caminhos teoricamente tranquilos, mas não tanto quantos os de Portugal e Alemanha. São as seleções da França, da Espanha e da Bélgica, todas elas classificadas também para as finais da Nations League e, portanto, em grupos de cinco.

A França tem pela frente Ucrânia, Finlândia, Bósnia e Cazaquistão. A seleção ucraniana, do técnico Shevchenko, se classificou para a Euro ganhando o grupo que tinha Portugal e fez uma Liga das Nações honesta - mas em amistoso, em outubro, a França venceu a Ucrânia por 7 a 1.

A Espanha pega de novo a Suécia, como na classificação para a Euro. Grécia, Geórgia e Kosovo são as outras seleções do grupo. Há um problema diplomático aqui, já que a Espanha não reconhece a independência de Kosovo - por uma questão puramente interna, para não insuflar o ânimo de independentismos regionais.

E a Bélgica tem um grupo com País de Gales, República Tcheca, Belarus e Estônia. Este promete ser o grupo mais "bobo" das eliminatórias. Além de uma ampla superioridade belga, a seleção que não ficar em segundo, entre Gales e Rep. Tcheca, entrará do mesmo jeito nos playoffs pelas últimas vagas, pois ambas ganharam seus grupos e subiram para a "primeira divisão" da Liga das Nações.

As eliminatórias europeias serão disputadas em basicamente dois momentos. Começam com três rodadas em março de 2021. No meio do ano que vem, será disputada a Euro-2020 (adiada pela pandemia). No segundo semestre, ou seja, já após férias e na temporada 2021/2022 dos clubes europeus, as partidas dos grupos serão concluídas com três datas em setembro, duas em outubro e duas em novembro.

Em outubro, serão disputados só jogos dos grupos com seis seleções, pois Itália, Bélgica, França e Espanha estarão envolvidas nas finais da Nations League.