PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Neymar tem melhor chance da vida para chegar ao sonhado topo e à liberdade

Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

11/07/2020 04h00

Quer mesmo ser melhor do mundo? Acreditou no que falaram a vida toda e se acha mesmo o The Best? Então chegou a hora para Neymar.

São três jogos. Se Neymar arrebentar contra a Atalanta nas quartas da Champions League, na eventual semifinal (contra Atlético de Madrid ou Leipzig, nenhum dos dois é bicho papão) e, claro, na decisão, ele fatalmente será eleito o melhor do mundo.

É uma temporada estranha, muito estranha. Um ano estranho, enfim. Cristiano Ronaldo não tem feito chover na Juventus, tampouco Messi no Barcelona. Não há Copas do Mundo ou Eurocopas. Neste momento, o MVP da temporada e maior concorrente de Neymar é Robert Lewandowski.

A Champions tem jogos únicos, então são três obstáculos para o topo.

Claro que o PSG não pode menosprezar a Atalanta, franco atiradora, um ataque espetacular, um time que jogará pela memória de Bérgamo e todo o que aconteceu em março. Menos ainda menosprezar o Atlético de Madrid, possível rival em uma semifinal. O time de Simeone, sempre ultracompetitivo, o time que eliminou o poderoso Liverpool.

Mas se ele é o The Best, tem que brilhar nesses jogos, certo? Nunca houve chance melhor, caminho tão curto. Talvez nunca haja de novo.

E mais: se o PSG chegar ao título europeu, estará garantida a liberdade de Neymar, que nunca gostou de estar onde estar e vestir a camisa que veste. Se ele cumprir a parte dele do acordo (ser campeão), a turma do Catar irá cumprir a deles e facilitar o retorno ao Barcelona.

É tudo o que ele sempre quis (o topo individual). E tudo o que quer (voltar para o Barça). A bola está com Neymar. Agora ou nunca.

*

Julio Gomes