PUBLICIDADE
Topo

Futebol com público? O Rio é maravilhoso, mas não dá para levar a sério

Flamengo diz que arcará com valores relacionados à retomada do Carioca - GettyImages
Flamengo diz que arcará com valores relacionados à retomada do Carioca Imagem: GettyImages
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

28/06/2020 04h00

Nenhum lugar do Brasil é mais Brasil do que o Rio de Janeiro. A Cidade Maravilhosa é o microcosmo (nem tão micro) perfeito do nosso país, com tudo de bom e tudo de ruim. Estão lá nossa poesia e nossa tragédia, o Cristo e a malandragem, o samba e a desigualdade, nossas belezas inigualáveis e nossa irresponsabilidade. Todos de mãos dadas.

O Rio de Janeiro não está se levando a sério, então nenhum de nós precisa levar.

Dezenas de milhares de mortos pelo coronavírus, uma situação caótica em todo o país, a total falta de procedimentos, o contágio correndo solto, especialmente nas zonas de maior adensamento (tipo a Grande Rio). No meio de tudo isso, um governador a ponto de sofrer impeachment, milícias mandando e desmandando e um prefeito desconectado da realidade, fazendo dobradinha e jogo político com o único líder mundial que diz "e daí?" para a tragédia que assola o próprio país.

Além da volta bizarra do Campeonato Carioca, com times sem treinar, jogadores sem testar, com uma Federação que finge ter procedimentos que não tem, temos a cereja no bolo: o anúncio de jogos com público a partir de 10 de julho.

Público não é exatamente parte presente do Cariocão (ou Covidão ou Caixão, como queiram). Em regra, os estádios já têm bastante menos de um terço de suas ocupações máximas. Então basicamente o resumo da notícia é: os jogos do Flamengo e as finais do campeonato terão 20 mil pessoas no Maracanã.

Como essa turma pode ser tão irresponsável? O que esses caras querem?

O Brasil fez tudo errado desde o início. Não se preparou (teve tempo) para o vírus, não ajudou quem precisa, não manteve empresas em pé, não determinou protocolos, não testou, não evitou mortes. O Rio de Janeiro foi além. E no futebol então, nem se fala. Um show de irresponsabilidades.

Até que Fluminense e Botafogo ameaçaram estar à altura da grandeza de ambos, mas também sucumbiram.

Espero que a população faça sua parte e não passe nem perto de estádios de futebol quando eles estiverem reabertos. Sei que esperarei sentado, mas não custa torcer.

Vale lembrar que na Europa, onde a pandemia está controlada, os jogos são realizados com portões fechados, rígidos protocolos, transparência e segurança e, por enquanto, falar em público nos estádios parece um devaneio. É quase ofensivo.

Outras cidades do Brasil irão seguir o péssimo exemplo carioca, não faltam oportunistas e indivíduos olhando só para o próprio umbigo.

É lógico que generalizar é sempre um perigo e está cheio de gente no Rio indignada com o que está acontecendo, com vergonha do que fazem os dirigentes da vez em seus clubes do coração. Nenhuma sociedade é uniforme, mas elas têm, sim, características gerais.

O Rio é um lugar como pouquíssimos no mundo. Tem alma, tem uma atmosfera incrível, é a cidade mais bonita do planeta. Mas não pode ser levado a sério.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL