PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Bayern campeão! O grande desafio será retomar o ritmo para a Champions

Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

16/06/2020 17h25

O Bayern de Munique já era o time que melhor jogava na Europa quando o futebol parou. Apesar de olharmos muito para a Inglaterra, onde o Liverpool voou de maneira incrível na primeira metade da temporada, e para a Espanha, por causa de Barça e Real, era na Alemanha que estava a notícia.

O Bayern começou mal o ano, demitiu o técnico (algo raríssimo por aquelas bandas) e, a partir daí, com Hansi Flick no comando - um ex-auxiliar de Joachim Low e com pouca experiência como treinador principal -, as coisas começaram a funcionar. Cada vez fica mais claro que a grande virtude para um técnico ter sucesso em elenco estrelado é saber gerenciar este elenco, que todos estejam felizes e em busca do melhor rendimento. Sem invenções.

Antes da parada, a sequência era de 18 vitórias em 21 jogos. Depois do retorno do futebol, em maio, foram oito vitórias seguidas, com a de hoje por 1 a 0 sobre o Werder Bremen - gol de Lewandowski, pra variar. Então agora são 26 vitórias em 29 partidas com Flick. Em 2020, foi apenas um empate e nenhuma derrota - o time não perde desde 7 de dezembro do ano passado.

A vitória marcou o octacampeonato do Bayern, um feito inédito na Alemanha e muito raro na Europa, ainda mais nas ligas mais importantes. Antes disso, nos 11 campeonatos anteriores, o Bayern havia vencido 5. Sim, sempre foi o mais forte do país, mas não desta maneira.

O grande desafio do Bayern agora é como fazer para manter esse ritmo quando voltar a Champions League, em agosto. Ritmo de jogo e de competição é um troço bem importante no futebol.

O primeiro desafio foi superado, mas ele era igual para todos. Quando a Bundesliga voltou, em maio, estavam todos parados havia dois meses - aliás, o primeiro jogo do Bayern, contra o Union Berlin, foi o mais sem vergonha destes oito disputados desde então. A situação de falta de ritmo era igual para todo mundo.

Quando a Champions voltar, em agosto, é outra história. Os adversários são bem mais fortes, é mata-mata (talvez só mata, com jogos únicos), não haverá qualquer margem para jogo ruim. A Bundesliga proporcionará somente mais duas partidas ao Bayern, aí vem a final da Copa da Alemanha, em 4 de julho. E, a partir daí, será um mês parado.

Enquanto o Bayern só terá amistosos e treinos a fazer em julho, o pau estará comendo solto na Premier League, na Série A italiana e na Liga espanhola. Manchester City, Juventus e Barcelona, possivelmente os grandes rivais pelo título europeu, estarão jogando e melhorando.

Quando a Champions voltar, possivelmente em 7 de agosto, o Bayern terá um jogo competitivo a fazer contra o Chelsea, a partida de volta das oitavas de final. É um bom jogo para o Bayern retomar ritmo de competição e sem risco de susto, pois venceu por 3 a 0 na ida, em Londres, tem a classificação praticamente garantida. Será que alguns amistosos em julho e esta partida contra o Chelsea serão suficientes para o Bayern chegar tinindo às quartas da Champions?

Só saberemos lá na frente. Este é o desafio de Flick, em uma temporada estranha para todos. Por enquanto, porém, é a hora de tirar a máscara para tomar uma cerveja. Na Alemanha, todo mundo faz as coisas bem. Mas o Bayern faz melhor.

Julio Gomes