PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Dez anos do jogo mais gelado da seleção brasileira nas Copas

Elano e Dunga se cumprimentam durante jogo do Brasil contra a Coreia do Norte em 2010 - Jeff Mitchell/ Fifa via Getty Images
Elano e Dunga se cumprimentam durante jogo do Brasil contra a Coreia do Norte em 2010 Imagem: Jeff Mitchell/ Fifa via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

15/06/2020 14h41

Foi em um dia 15 de junho de 2010, portanto, dez anos atrás. Lembro que o termômetro de algum celular apontava menos 4 graus no Ellis Park, em Joanesburgo - oficialmente, a temperatura registrada foi de 1 grau negativo. Vento forte e um frio cortante. Inesquecível para quem estava lá - entre tantos outros colegas, este escriba, na época trabalhando para a ESPN. Não havia jaqueta, gorrinho ou luva que dessem jeito.

Neste cenário, o Brasil venceria a Coreia do Norte por 2 a 1, na estreia da seleção de Dunga na Copa da África.

Foi um jogo tão gelado quando o clima. A Coreia do Norte era a seleção mais fraca do Mundial, tanto que levou de sete de Portugal no duelo seguinte. Mas o Brasil só foi furar a defesa rival no segundo tempo, com gols de Maicon e Elano, levando um no final.

Elano, com um gol e uma assistência, foi o melhor do time. No jogo seguinte, sofreria uma pancada contra Costa do Marfim e ficaria fora da Copa, o que se provou bastante prejudicial para a seleção. Elano, quer queira quer não, era um jogador em boa forma, boa fase, confiante e que havia se transformado no principal meio-campista do time, dado que Kaká estava baleado.

A Copa da África do Sul, um raro Mundial no hemisfério sul (os outros foram disputados no Uruguai-30, Brasil-50, Chile-62, Argentina-78 e Brasil-2014), foi a mais fria de todas. Na primeira fase, foram registradas temperaturas abaixo da média histórica do país para um mês de junho. Para se ter uma ideia, a final entre Espanha e Holanda, na mesma Joanesburgo, em julho, teve temperatura de 18 graus celsius. Mas um mês antes, o Brasil x Coreia do Norte foi jogado abaixo de zero.

Um dia antes da estreia da seleção, 700 funcionários decidiram fazer greve e abandonaram seus pontos, o que gerou uma bagunça e tanto na entrada e dentro do estádio. Três apagões deixaram a situação mais caótica, e um dos telões do Ellis Park, um estádio antigo, ficou o jogo todo sem funcionar.

Também ficou para a história o choro Tae-Se, um japonês naturalizado que era o destaque do time norte-coreano e chorou copiosamente quando foi entoado o hino nacional. Em campo, até que ele deu um trabalhinho para a defesa brasileira no primeiro tempo, mas a seleção de Dunga resolveu as coisas no segundo.

Julio Gomes