PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Como o Barcelona ganhou terreno sobre o Real Madrid mesmo sem jogos

Messi e Suárez devem estar entre os titulares do barcelona na volta do Campeonato Espanhol - GettyImages
Messi e Suárez devem estar entre os titulares do barcelona na volta do Campeonato Espanhol Imagem: GettyImages
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

12/06/2020 04h00

A Liga espanhola voltou ontem, com a vitória do Sevilla no dérbi sobre o Bétis. Mas o que todos querem mesmo saber é como estarão Barcelona e Real Madrid no retorno do futebol. Os dois gigantes estão separados por apenas dois pontos na tabela e essa é a grande disputa.

Serão 40 dias de jogos - 11 rodadas condensadas em poucas semanas - e é difícil prever qual o efeito da maratona e da temporada quebrada em dois times que já mostravam muita instabilidade.

O período de três meses sem futebol foi tumultuado no Barça, um clube que vem ficando cada vez mais habituado a polêmicas e alfinetadas públicas. O presidente, Bartomeu, apanha de todos os lados: de Messi, diretores, torcedores... O argentino liderou o movimento de corte salarial de 70% na pandemia para salvar a pele de funcionários menos abastados. Rakitic, oferecido para qualquer um que passe do outro lado da rua, veio a público pedir respeito ("não sou um saco de batatas"). E um punhado de diretores pediu demissão.

Mesmo com tudo isso, o Barcelona ganhou terreno em relação ao Real Madrid. E a explicação tem nome: Luis Suárez.

O número 2 do time estava fora da temporada. Daquela temporada. Com a parada, o uruguaio conseguiu se recuperar da lesão e já terá minutos contra o Mallorca, sábado (17h). Ainda não pode atuar o jogo todo, mas é um reforço brutal para um time que não via qualquer opção de ganhar partidas que não fosse com Messi carregando todo mundo nas costas.

A volta de Suárez alivia um pouco as coisas para Messi. É uma responsabilidade um pouquinho mais dividida e, claro, gols em profusão.

Além disso, o técnico Quique Setién, que chegou perdidaço em janeiro para substituir Valverde, teve o tempo que precisava para arrumar a casa. É lógico que precisamos ver isso na prática e as condições de treinamento não foram as ideais. Mas a pausa foi uma dádiva para Setién. O Barça é um transatlântico difícil de ser manobrado e é muito complicado para um técnico trabalhar chegando no meio da temporada, eu seu momento mais agudo.

Setién teve tempo de respirar, analisar, estudar, conversar e idealizar o time. Logo veremos se o tempo foi bem utilizado.

Há também a possibilidade de que as últimas rodadas sejam jogadas com público nos estádios. No Camp Nou, 30% da capacidade representam 30 mil pessoas apoiando o time - não é pouco. Já o Real Madrid quis aproveitar a pandemia para fazer logo grandes reformas no Santiago Bernabéu. O campo está interditado, e o time vai jogar no Alfredo di Stefano, um miniestádio dentro do CT, com capacidade para 6 mil pessoas. Se o público puder entrar, os 30% significariam apenas 1800 pessoas.

A Liga calcula um prejuízo de 350 milhões de euros com o campeonato indo até o fim com portões fechados. Financeiramente, o Barça conseguiria minimizar bem mais o prejuízo do que o Real Madrid. E teria um apoio bem maior em seus jogos como mandante. No restante da tabela, o Barça vai jogar contra o Sevilla, um campo difícil, com arquibancadas vazias. Mas talvez já tenha o público para o duelo contra o Atlético de Madrid, por exemplo, que será no Camp Nou.

Já o Real vai receber o Valencia sem público, mas pode enfrentar torcida contra quando enfrentar o Athletic, em Bilbao. Haveria ao clube a hipótese de jogar no estádio do Atlético, mas ninguém está gostando muito dessa ideia. Tudo isso, porém, só será decidido daqui a algumas semanas.

De boa notícia para o Real Madrid, os retornos de Hazard e Asensio. O belga é um excelente jogador de futebol, mas que não conseguiu mostrar nada demais ainda com a camisa branca. Não dá para comparar com o tamanho do reforço que representa Suárez para o Barça.

Zidane fará mágica? Messi e Suárez irão desequilibrar a Liga? A história começa a ser recontada neste fim de semana.

Julio Gomes