PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Há 5 anos, Neymar vivia o auge. Valeu a pena sair do Barcelona?

Neymar pode estar voltando ao Barcelona na próxima temporada - GettyImages
Neymar pode estar voltando ao Barcelona na próxima temporada Imagem: GettyImages
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

06/06/2020 04h00

Exatos cinco anos atrás, o Barcelona e Neymar comemoravam o título da Champions League pela última vez. Foi no dia 6 de junho de 2015, em Berlim, que o Barça ganhou da Juventus por 3 a 1, conquistando seu quarto europeu em dez anos.

Neymar fez o terceiro gol, já nos acréscimos, selando a vitória.

Mas não foi só isso. Aquele gol, o décimo dele na competição, colocou o brasileiro no topo da lista de artilheiros da Champions, ao lado "só" de Messi e Cristiano Ronaldo. Simbólico. Pois víamos, pela primeira vez, Neymar chegar onde todos esperavam que ele chegasse: ao nível dos dois. A partir daquele momento, Neymar entrava na mesma conversa, se colocava na prateleira lá do alto. Certo?

Errado...

Aquele, cinco anos atrás, era o auge de Neymar. E não sabemos se será superado.

O Barça ganhou Champions, Liga e Copa, Neymar fez 39 gols na temporada e, ao lado de Messi e Suárez, formou o que talvez tenha sido o trio de ataque mais poderoso da história do futebol europeu. Foi protagonista, marcando em todas as fases agudas da Champions, assumindo um papel de craque (no vídeo abaixo, os dois gols contra o PSG, nas quartas). Era apenas seu segundo ano em Barcelona, havia ainda tanta coisa por vir!

Mas não veio. A temporada seguinte ainda foi boa, com doblete doméstico e 31 gols. A outra já ficou abaixo, à exceção do jogo grande contra o PSG, aquele polêmico do 6 a 1, quando ele deu mostras que podia ser o cara, mesmo com Messi em campo. E, ao final de sua quarta temporada, em 2017, ele é convencido a ir para Paris, na maior transferência de todos os tempos.

Neymar deixa o Barcelona para ser protagonista, para sair da sombra de Messi. Uma sombra que só via quem queria, pois na verdade os dois estavam juntos no Sol. Em Paris, resolve assumir o papel que não imaginava ter no Barça. O problema é que o perfil "dono do mundo" serviu para o PSG atropelar domesticamente, mas não na Europa. Serviu para ele se queimar na Copa da Rússia. Serviu para desafiar a hierarquia do clube de tal maneira que o Paris tem pouco respeito por parte de seus co-irmãos no futebol. Lá, quem mandam são os jogadores.

O que teria sido de Neymar, se ele estivesse no Barça até hoje? Talvez o total de Bolas de Ouro fosse o mesmo: zero.

Mas talvez ele tivesse se consolidado naquele pódio que ocupou só uma vez. Talvez realmente tivesse pego o bastão das mãos de Messi em alguns momentos cruciais. Talvez tivesse se comportado de outro jeito na Copa da Rússia. Talvez hoje fosse o cara.

Neymar sempre foi um craque. No Santos, no Barça, na seleção e, claro, no PSG. Mas, apesar de ainda ter 28 anos, transmite a imagem de alguém que teve uma carreira gerenciada em função do dinheiro, e não do sucesso esportivo, e que não irá além. Um jogador diferente, com talento, físico e gol, poderia ter priorizado a explosão contínua em um ambiente coletivo e não a tentativa de fazer e acontecer em um clube sem a mesma tradição e sem o hábito de estar sempre lutando pelo topo europeu.

Agora, como sabemos, ele quer voltar o Barça. Será a grande novela da janela de transferências para a temporada que vem.

Era mais fácil não ter saído.

Julio Gomes