PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Bayern mata a Bundesliga em Dortmund com golaço e ajudinhas

Joshua Kimmich comemora gol do Bayern de Munique contra o Borussia Dortmund  - Alexandre Simoes/Borussia Dortmund via Getty Images
Joshua Kimmich comemora gol do Bayern de Munique contra o Borussia Dortmund Imagem: Alexandre Simoes/Borussia Dortmund via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

26/05/2020 15h27

Três títulos seguidos. Esse era o máximo que um clube havia conseguido conquistar na história do futebol alemão, incluindo o todo poderoso Bayern. Mas os tempos são outros. Com a vitória sobre o Borussia Dortmund nesta terça, na abertura da rodada alemã, o Bayern de Munique abre uma vantagem praticamente irrecuperável e se aproxima do oitavo título consecutivo na Bundesliga.

Por mais que a alemã tente ser a mais democrática das grandes ligas europeias, com distribuição mais balanceada de dinheiro e exposição das marcas, o fato é que o domínio do Bayern, algo nunca visto, assusta.

São sete pontos de vantagem, faltando apenas seis rodadas. No caminho, dois jogos difíceis, contra Bayer Leverkusen e Borussia Moenchengladbach, quarto e quinto, respectivamente. Mas vamos lá, mesmo que perca os dois o Bayern ainda estaria na liderança.

O fato é que a Bundesliga definiu seu campeão hoje, e é o mesmo de sempre.

Foi um grande jogo de futebol, como era de se esperar. Jogo muito intenso, de muita velocidade e chances. O Dortmund teve azar, pois Brandt, o meia que tão bem jogou desde o retorno do futebol, esteve em uma tarde errática. Se Brandt estivesse mais inspirado na tomada de decisões, talvez o Borussia tivesse feito o primeiro gol - o que faz uma diferença monstra.

Quem esteve inspirado, por outro lado, foi Kimmich, que no finalzinho do primeiro tempo arrumou um toque mágico por cobertura para fazer o gol da partida. Foi um golaço de Kimmich, um espetáculo.

Notas tristes no segundo tempo. O pênalti não marcado no chute bloqueado por Boateng, a bola explodiu em seu cotovelo. Pênalti fácil de ser marcado, mas infelizmente o VAR não poderia mesmo fazer nada, pois o árbitro viu perfeitamente o lance e interpretou como interpretou. Erro grave, que poderia mudar o destino do jogo e da liga.

A outra nota triste é a falta de ousadia de Lucien Favre, técnico do Dortmund. O cara tem cinco trocas à disposição, o campeonato está acabando e ele só faz trocas de seis por meia dúzia. O Dortmund apertou no segundo tempo, o empate teria sido o resultado mais justo, mas o técnico poderia ter contribuído mais com a causa. Poderia ter arriscado mais.

O Borussia teve ótimas sequências em 2020, mas sucumbiu nos dois grandes jogos: em Paris, pela Champions, e o de hoje. É um time realmente jovem e que estará aí para incomodar na temporada que vem.

Já o Bayern segue em "modo atropelamento" desde a troca de técnico. São 21 vitórias em 24 partidas com Hansi Flick. A Bundesliga está resolvida, mas o Bayern tem um grande desafio. A Champions só volta em agosto, e o Bayern vai ter um mês e meio ou dois sem nada para fazer, enquanto os rivais de Espanha, Inglaterra e Itália estarão jogando suas ligas domésticas.

Julio Gomes