PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Primeiro fim de semana do "novo" futebol coloca mando de campo em xeque

O icônico Signal Iduna Park recebe Borussia Dortmund x Schalke 04 na abertura da rodada do Campeonato Alemão após pausa pela covid-19                              -                                 INA FASSBENDER/AFP
O icônico Signal Iduna Park recebe Borussia Dortmund x Schalke 04 na abertura da rodada do Campeonato Alemão após pausa pela covid-19 Imagem: INA FASSBENDER/AFP
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

19/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Volta da Bundesliga tem só uma vitória dos mandantes
  • Com estádios vazios, o fator casa vai simplesmente deixar de existir?

Em nove jogos, somente uma vitória dos mandantes, três empates, cinco vitórias dos visitantes. Em apenas uma partida o time que estava abaixo na classificação saiu vencedor. Pode parecer cedo para chegar a conclusões definitivas, mas esta é a fotografia da 26a rodada do Campeonato Alemão, que acabou ontem.

A Bundesliga é a primeira liga europeia a voltar, após dois meses de paralisação devido à pandemia do coronavírus. Os jogos são todos disputados com portões fechados, sem torcida, e duas observações podem ser feitas de cara: jogar em casa não importa e, sem este fator tão essencial no futebol, os melhores times acabarão sempre levando a melhor sobre os piores.

Um exemplo: o jogo entre Union Berlin e Bayern de Munique. Possivelmente o Bayern venceria com ou sem público, mas o fato é que o caçula da Bundesliga é um dos times que mais contam com a torcida, em um estádio acanhado e antigo, que pouco tem a ver com as modernas arenas europeias. Sem torcida, sem alma. O Union Berlin não ofereceu resistência alguma ao líder. Outro exemplo: O Frankfurt, time com a maior diferença de pontos nas campanhas dentro e fora de casa, sucumbiu facilmente em seu estádio para o Borussia Moenchengladbach.

Não foi a pior rodada de desempenho para os mandantes. Incrivelmente, na sexta rodada os times da casa somaram um mísero ponto, anotando 7 gols. Nesta primeira rodada do retorno, foram seis pontos e 10 gols marcados, o segundo pior desempenho dos mandantes.

Antes desta rodada, os times da casa faziam, em média, 13,7 pontos por rodada (1,5 ponto por jogo). A 26a rodada teve, portanto, uma soma de pontos dos mandantes que ficou abaixo da metade da média (6 pontos, com 0,67 ponto por jogo).

No Brasileirão do ano passado, os mandantes fizeram 1,7 ponto por jogo, na Premier e na Bundesliga passadas, 1,6. Um padrão observado em campeonatos de pontos corridos, de forma geral, é que mandantes levam um pouco acima de 60% dos pontos, visitantes, um pouco abaixo de 40%. Nesta rodada da Bundesliga com portões fechados, mandantes ficaram com 25%, visitantes, 75% dos pontos.

Só o Borussia Dortmund ganhou em casa. Mesmo sem a muralha amarela, meteu 4 a 0 no Schalke. O Hertha foi o único a vencer um time que estava acima na tabela, o Hoffenheim.

Será uma tendência?

Talvez seja uma amostragem baixa e podemos olhar de novo para esses números mais adiante, quando as oito rodadas restantes forem realizadas.

Mas o novo futebol, sem torcida, o futebol que veremos pelo menos por um tempo, parece eliminar o fator casa. Sem torcida para empurrar, para pressionar, para influenciar arbitragens, para mudar dinâmicas de jogo. É um futebol sem uma variável importante e, portanto, mais lógico. Aguardemos.

Julio Gomes