PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Sincerão: Rogério Ceni, Marcos ou Dida na lista de melhores goleiros?

Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

07/05/2020 04h00

Quais os cinco melhores goleiros que você já viu na vida? Para responder tal pergunta, a premissa por si só já faz com que cada resposta seja única. Depende da data de nascimento para o mundo e da data de nascimento para o futebol. Eu nasci para o mundo em 1979. E considero que nasci para o futebol em 1985. São minhas primeiras lembranças nítidas. A visão do jogo como torcedor e apreciador durou até 1996, 97. A partir de 98, minha visão mudou completamente e passou a ser profissional.

Fim dos anos 80, pois. É meu marco para dar as respostas sobre os melhores que vi. Com uma fortíssima influência do pós-98 e dos tempos mais recentes, quando "ver" ficou realmente mais fácil. Hoje, se vê tudo. Antes, não era assim.

Na minha lista de cinco goleiros, quatro nomes vieram muito rapidamente na minha cabeça e falarei deles um pouco mais abaixo. Buffon, Casillas, Neuer e Júlio César. Enquanto escrevo, penso que o quinto nome deveria ter sido o de Taffarel. Três Copas, o goleiro que escancarou as portas para tantos outros, uma geladeira embaixo do gol. Creio que logo logo Alisson entrará na lista, se a carreira seguir assim. Tem muito goleiro bom nesse mundo! Eu vi Kahn, vi Schmeichel, eu vi Cech, vejo Courtois. Mas ali na hora da gravação, pego de surpresa, me vieram três caras para uma vaga. E eu escolhi...

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

...MARCOS

Vamos lá. Esse debate é bom demais. E eu escolho Marcos sem muita fé.

Rogério Ceni, entre os três, foi quem construiu mais representatividade no futebol. Personalidade marcante, liderança, 500 anos como titular do São Paulo, campeão de praticamente tudo, fez o grande jogo da vida em um Mundial de Clubes. Rogério era o menos espetacular dos três embaixo das traves, mas agregava outras coisas ao jogo com os pés - saída de bola, contra ataques, cobranças de faltas. Ele é o maior ídolo do clube mais vencedor do Brasil. Os outros não podem presumir disso.

A Dida, talvez tenha faltado expressão para o público, apenas isso. Eu não chamaria de falta de carisma, mas de falta de vontade ou necessidade de se comunicar com os torcedores (via imprensa). Então ninguém conhece bem o Dida, essa é a verdade. Mas, diga-se, dentro do vestiário ele não era assim. Era um líder, falava, opinava, esbravejava, apesar de a imagem ser diferente. Tecnicamente, o melhor dos três, sem dúvida. Não à toa, passou uma década toda como titular do Milan. E não de um Milan qualquer, mas de um Milan três vezes finalista da Europa, duas vezes campeão, uma potência mundial. Os outros nem para a Europa foram.

Se Marcão não tem para o Palmeiras o mesmo tamanho que Rogério tem para São Paulo e tecnicamente estava abaixo de Dida, por que, então, é o escolhido? Marcos era um cara muito carismático e muito, muito, muito bom goleiro. Está só um pelinho abaixo dos dois em ambos os critérios.

Lembro-me tão bem dos treinos durante a Copa de 2002. Foi minha primeira cobertura de Copa, das cinco que fiz. Eu sempre gostei de ver e prestar a atenção em treinos, e aqueles três caras me deixavam de queixo caído. Imaginem um treino básico de finalização, bola cruzada, meias e atacantes tinham só que meter para dentro, sem adversários. E para meter para dentro? Os treinos eram shows à parte dos três goleiros.

O mundo inteiro sabia que Marcos era o titular de Felipão, mas parece que os outros dois queriam empurrá-lo ao limite - e conseguiram. Marcos era o típico profissional que precisava desse aperto para render tudo o que podia. E rendeu. Foi peça fundamental para a seleção na final contra a Alemanha, em Yokohama.

Eu acho que a resposta passa por aí. Marcos, no fim, foi o goleiro da Copa, o goleiro do penta. Meu voto foi nele, mas sem muita convicção.

Abaixo, um pouquinho dos meus outros escolhidos e vídeos deles para vocês se divertirem. Já que deixei Kahn de fora, começamos por outro alemão.

NEUER

Não sei nem por onde começar. O goleiro mais completo dos nossos tempos. Reflexos inacreditáveis, total domínio do espaço aéreo de sua área, alto, atlético, rápido, ágil e tão bom na leitura de jogo e com os pés que permite a seus times avançarem muitos mais metros no campo. É a definição do goleiro moderno, que faz tudo - e tudo excepcionalmente bem. E é, há 10 anos, titular da seleção do país que sempre teve e sempre terá a melhor escola de goleiros da humanidade.

BUFFON

Outro que dispensa muitos comentários. Simplesmente uma lenda. Titular da Juventus por 17 anos, o jogador que mais vezes atuou por uma seleção em toda a Europa, sempre com uma atitude magnífica em campo, um exemplo. A representatividade de Buffon é tão grande que muitas vezes nos esquecemos das enormes qualidades técnicas. O cara fazia tudo parecer fácil - menos para quem queria meter gol nele. Perfeito em todas as facetas da função, um goleiro monumental.

CASILLAS

José Mourinho não vai concordar comigo nessa! Realmente esta década que se encerra não foi maravilhosa para Casillas, ainda que ele tenha levantado La Décima para o Real Madrid e a Euro-2012 para a Espanha. Foi na década anterior que ele destruiu. Eu vivi cinco anos em Madrid e acompanhei de perto, na beira do campo, os melhores anos de Casillas. Eram times bem preguiçosos do Real Madrid e era impressionante a quantidade de jogos que Casillas ganhava sozinho. Sim, não dá para negar o fato de ele ser "baixinho" (1,82) e não tomar conta do espaço aéreo, como um Neuer. Mas, embaixo dos paus, nunca vi alguém igual. As defesas que ele fez na final da Champions de 2002 e as duas na final da Copa de 2010 explicam o que quero dizer.

JÚLIO CÉSAR

Eu sei que as cornetas irão soar. Como assim eu fico em um dilema entre Marcos, Ceni e Dida para ver quem entra na lista e Júlio César já está nela? Eu entendo o preconceito com Júlio César. Ele não foi para o Flamengo o que os três foram para os três grandes paulistas, portanto nem tem o mesmo respeito aqui. O cara foi o goleiro do 7 a 1 e falhou grotescamente contra a Holanda, em 2010. Talvez ele pudesse ficar fora mesmo da lista. Mas, quando me pediram o top 5 dos melhores goleiros que vi, foi o primeiro nome que me veio. Porque nenhum goleiro brasileiro da história foi, em seu auge, o melhor do mundo. Só Júlio César (e, agora, Alisson). Entre 2009 e 2010, até a falha na Copa, ninguém era melhor que ele. Buffon, Casillas, Neuer... ninguém! Muito ágil, muito seguro, muito reflexo, muita coragem, um goleiro impressionante. O Júlio César que pega o bastão de Dida durante aquela primeira era Dunga era fenomenal.

E para vocês? Quais foram os 5 melhores goleiros que vocês viram jogar? Nos comentários, coloquem o "ano zero" do futebol para vocês, assim fica mais transparente e bacana a discussão.

Julio Gomes